postado por Matheus em 15 julho 2012

Resenha | Memórias De Uma Gueixa

Autor: Arthur Golden
Editora: Imago
Páginas: 460
Skoob: ADICIONE
Sinopse

"Memórias de uma Gueixa" é um romance fascinante, para ser lido de várias maneiras: como um mergulho na tradicional cultura japonesa, ou um romance sobre a sexualidade, e ainda, como uma descrição minuciosa da alma de uma mulher já apresentada por um homem. Seu relato tem início numa vila pobre de pescadores, em 1929, onde a menina de nove anos é tirada de casa e vendida como escrava. Pouco a pouco, vamos acompanhar sua transformação pelas artes da dança e da música, do vestuário e da maquilagem; e a educação para detalhes como a maneira de servir saquê revelando apenas um ponto do lado interno do pulso - armas e mais armas para as batalhas pela atenção dos homens. Mas a Segunda Guerra Mundial força o fechamento das casas de gueixas e Sayuri vê-se forçada a se reinventar em outros termos, em outras paisagens.

Resenha

     São poucos os livros que te fazem mergulhar na cultura de um povo. “Memórias De Uma Gueixa” é um deles. A forma como é narrada a cultura das gueixas é cativante e incrível, depois de ler o livro você saberá tudo sobre a vida de uma gueixa, como é o seu dia-a-dia,o que ela tem que fazer para exercer sua profissão entre outras questões muito interessantes.
     O livro é um tipo de flashback, já que Sayuri (a gueixa) conta sua história quando já está na velhice. Ela começa narrando sua infância, uma menina bonita que morava no litoral do Japão, na sua casinha bêbada. Casinha bêbada porque a casa em que ela morava com sua mãe, seu pai e sua irmã mais velha era torta e estava quase caindo. Quando ainda era criança sua mãe morreu, e seu pai, planejando um futuro melhor para suas filhas, manda-as para o senhor Tanaka, que as leva para o distrito de Gion para serem queixas. É aí que Chiyo (o nome de Sayuri antes de se tornar gueixa) começa seu treinamento para gueixa. Sua vida não é nada fácil, já que Hatsumomo, a gueixa mais famosa da época, convive no mesmo okya (casa de gueixa) que ela. Hatsumomo é horrível, ela nunca perdia a oportunidade de estragar com a vida de Chiyo. Mas Chiyo consegue passar por isso,  se tornando anos depois uma gueixa muito respeitada no Japão, agora, finalmente, com o nome de Sayuri.

     O livro narra com muita inteligência e poetismo todas as fases da vida da gueixa Sayuri. Ao decorrer do livro são muitas as comparações poéticas que aparecem para dar um toque a mais aos relatos de sua vida. Um exemplo é essa linda frase abaixo:
“Flores que crescem onde as antigas murcharam virão para nos mostra que um dia a morte virá para todos nós”
     Tudo o que uma gueixa aprendiz faz para se tornar uma gueixa profissional é narrado no livro. Os rituais são muitos, a adoção por uma gueixa mais velha (chamada irmã mais velha), a perda do myzuage (a virgindade) e por fim o sustento de um danna, que é quem cuidará da vida de uma gueixa até a morte. Entre esses rituais principais há muitos outros.
Além da inteligência e do poetismo do livro ele também é engraçado. A parte em que Mameha (irmã mais velha de Sayuri) explica a perda da virgindade para ela é hilária. Ela explica tendo com base uma enguia, ou seja, uma explicação um tanto infantil e muito engraçada!
     A leitura do livro as vezes pode ser cansativa, isso porque o livro não é cheio de ação e acontecimentos emocionantes. Para terminar de ler esse livro você precisa de um pouco de paciência e claro, interesse com a cultura japonesa. As vezes as explicações da cultura japonesa são mais interessantes que a própria história da vida de Sayuri.
     O livro é dividido em grandes capítulos, o que pode deixar a leitura ainda mais difícil. Alguns erros de grafia também podem ser encontrados ao decorrer do livro, sem contar que alguma palavras estavam meio que apagadas, tornando a leitura mais cansativa. Mas como eu fiquei fascinado com a cultura das gueixas e com a vida de Sayuri eu passei por esses obstáculos e realmente adorei o livro quando terminei de lê-lo! 
     Antes de ler você tem que saber que os relatos são fictícios, os personagens são fictícios, somente a cultura das gueixas é real. Para escrever o livro Arthur Golden, o autor, se aprofundou muito nos estudos das gueixas, tendo ido até ao Japão para entrevistar antigas gueixas e saber tudo sobre suas vidas. Eu tive que ler o livro inteiro para descobrir que Sayuri nunca existiu, eu sempre pensei que o livro era uma espécie de biografia, mas estava errado.

     Não é todos que podem gostar desse livro. Você realmente tem que se prender a história e gostar da leitura. Se você está sempre aberto para descobrir mais sobre uma nova cultura esse livro é um prato cheio. Podem ler o livro mas não esperem nenhuma história fenomenal, pois você não vai encontrar. Mas você vai encontrar lindos relatos da vida de uma gueixa, além de muito conhecimento sobre uma nova e impressionante cultura!

Avaliação:




2 comentários:

  1. Nunca tive vontade de ler esse livro, justamente pela falta de curiosidade com a cultura deles, nem o filme vi, o filme seria uma forma mais "fácil" de saber um pouco mais da história.

    ResponderExcluir
  2. pra quem quer só matar a curiosidade o filme deve ser melhor, eu ainda tenho q assistir!!

    ResponderExcluir