postado por Matheus em 05 agosto 2012

O Que Passou Por Meus Fones #2

     Oi pra todos vocês, adoradores de música ou não! Hoje eu estou aqui para postar mais uma vez as críticas dos discos que ouvi pela semana. Se você não viu o post da semana passada, veja aqui. Nessa semana as resenhas ficaram um "pouquinho" maiores, mas isso porque os álbuns eram muito inspiradores (rsrsrs). Espero que vocês gostem e não esqueçam de deixar suas opiniões nos comentários.

Thriller | Michael Jackson 

     Eu não poderia ter começado minha semana melhor! O disco que foi sorteado do livro “1001 Discos Para Ouvir Antes De Morrer” para eu ouvir foi Thriller, do eterno rei do pop Michael Jackson. Um álbum que ficou meses (mais precisamente 232 semanas) em primeiro lugar nos EUA, ganhou 9 Grammys (incluindo álbum do ano), além de ganhar outros inúmeros prêmios nem precisa de comentários, mas eu vou tentar fazê-los. Começando com a contagiante “Wanna Be Startin’ Somethin’” o álbum é uma mistura perfeita de pop, R&B, rock e funk. O vocal do Paul McCartney em “The Girl Is Mine” caiu como uma luva para Michael. “Thriller” não é ruim, mas ela foi mau colocada no disco, tendo uma sonoridade muito diferente das 3 faixas anteriores e tirando a beleza delas. 
     “Beat It” e “Billie Jean” tornaram-se verdadeiros clássicos. O funk-rock de “Beat It” é super-envolvente e o solo de guitarra do Eddie Van Halen é ótimo. Mas a verdadeira estrela do álbum é “Billie Jean”, com uma letra um tanto estranha o seu ritmo impregna na nossa cabeça, não saindo tão cedo. “P.Y.T (Pretty Young Thing)” tem uma letra muito carinhosa. É impossível não se lembrar do Alvin e dos outros esquilos irritantes no final da música, com aquela voz aguda ao extremo. Usando a mais alta tecnologia da época, o disco inteiro é feito de um pop que todos gostam, mostrando assim porque o álbum é popular mesmo fazendo décadas que foi lançado.


     O nome desse álbum é incrivelmente criativo. Querendo mostrar seu alter-ego (Sasha Fierce), uma mulher mais confiante e sexy, Beyoncé dividiu o álbum em dois discos. O primeiro, intitulado “I Am...” fica num lado mais calmo, romântico e, digamos, tímido. Desse disco saiu alguns hits, como “If I Were A Boy”e “Halo”, mas pra mim a melhor música desse disco é “Ave Maria”. Com uma letra romântica e quase gospel, “Ave Maria” é extremamente emocionante. Até agora eu me arrepio quando ela fala “Ave Maria” no refrão. 
     Mas o segundo disco, “Sasha Fierce”, é totalmente diferente. Muito mais confiantes, as músicas desse disco são todas dançantes e nem um pouco tristes. Começando com “Single Ladies (Put A Ring On It)”, uma música que abalou as estruturas mundiais, é impossível ficar parado depois disso. “Radio” é bem dance e o seu ritmo lembra as músicas eletrônicas da banda inglesa The Prodigy. “Vdeo Phone” eu achei que tem uma letra muito vazia, mas a versão com a Lady Gaga vale a pena ouvir (rsrs). Eu tenho certeza que você irá gostar de algum disco em especial, mas não dá pra negar que a Beyoncé arrasou nesse álbum!   


     David Bowie fez uma grande evolução no rock depois que lançou “Ziggy...”. Esse álbum foi gravado com as maiores tecnologias da época, o que faz com que ele, depois de tanto tempo, ainda pareça atual. Outra coisa que mudou foi a imagem do rockstar. Não precisava mais ser um homem comum, um rockstar poderia ser andrógino, afeminado ou qualquer outra coisa do tipo. Sendo assim David influenciou várias bandas, como Kiss, New York Dolls e Queen, todas com um visual diferente do comum. Mas não é só de revoluções que “Ziggy...” é feito. Esse álbum é uma verdadeira obra-prima! As letras de todas as músicas falam sobre um futuro incerto, com guerras, extra-terrestres e outras esquisitices do gênero. A primeira faixa, “Five Years” é extremamente emocionante. “Starman” é, na minha opinião, a melhor faixa do álbum. Ela começa com um rock alternativo, mas no refrão passa para um rock totalmente envolvente. A última faixa, “Rock ‘N’ Roll Suicide”, é meio dramática demais, pois é nessa faixa que o protagonista do disco, Ziggy, se mata. Mas nem por isso a faixa deixa de ser boa. Servindo de influencia para muitos, David Bowie nunca será esquecido por sua genialidade, criatividade e qualidade, expressando tudo isso em “Ziggy...”.

The Sweet Escape | Gwen Stefani

     Gwen Stefani não tem muita criatividade, suas músicas não se diferem muito das músicas pop que estamos acostumados a ouvir hoje em dia. A única diferença é que ela tenta (mas nem sempre consegue) misturar pop com hip-hop e reggae. O disco já não começa muito bem. “Wind It Up” começa com um toque cowntry, mas depois vai para a clássica mistura de hip-hop com pop. “Orange Cowntry Girl” com certeza não combinou com a voz da Gwen, sem contar que quase no final da música aquele “on and on, on and on” cantado por ela é irritante. As músicas boas do álbum são 3: o hit “Now That You Got It”, “The Sweet Scape” e “Early Winter”. Gwen já cantou melhor quando estava na banda No Doubt, mas na época desse disco ela não estava em sua melhor forma. 


     Ouvir qualquer disco do Pink Floid (principalmente The Dark Site Of The Moon) é embarcar numa viagem psicodélica a um lugar onde tudo é possível. Todas as letras desse álbum falam de coisas estranhas e sem sentido, como homens de pão de gengibre, espantalhos, contos de fadas, gnomos e outras coisas do gênero. Sem dúvida a letra mais estranha é a de “Astronomy Domine”, que fala, pelo que entendi, sobre lutas interstelares entre cores e deuses do espaço. Mas a melhor faixa do álbum é “Interstellar Overdrive”, uma música instrumental de 10 minutos com ótimas execuções de guitarra. Para ficar ainda melhor é necessário ouvir essa música com fones de ouvido, assim os sons nos dão a impressão que passam de um lado para o outro, deixando-nos extasiados. Pink Floid é uma banda para poucos. Muitas pessoas não gostam desse estilo de música, mas para quem gosta (ou para quem está aberto à novos ritmos) “The Piper At The Gates Of Dawn” é realmente ótimo. 

Under My Skin | Avril Lavigne

     Diferente do primeiro álbum da Avril, “Let Go”, “Under My Skin” têm uma sonoridade bem diferente, com letras mais maduras e um som mais dark. Mas as letras continuaram sendo um tanto superficiais, falando quase sempre de relacionamentos amorosos que não deram certo. Mas mesmo assim as músicas da Avril continuam sendo boas. Se você ouviu a primeira faixa, “Take Me Away”, e não gostou não ouça o resto do álbum, pois o estilo é sempre o mesmo. “Slipped Away” é a melhor faixa do álbum, mesmo tratando dos mesmos temas essa música é diferente, não sei o porque. Não tem muito o que falar desse álbum, as músicas são parecidas, o ritmo é parecido, até as letras tratam do mesmo tema. Mas mesmo assim “Under My Skin” é um prato cheio para os adoradores de pop rock.

All I Ever Wanted | Kelly Clarkson

     Kelly Clarkson, tem uma voz maravilhosa, o que a ajudou muito a ganhar a primeira temporada de American Idol. Essa sua qualidade faz com que suas músicas, principalmente as mais românticas e calmas, sejam maravilhosas. Em “All I Ever Wanted” essas músicas tomam conta do álbum, sendo as melhores. O álbum começa com “My Life Would Suck Without You”, um verdadeiro hit com uma batida bem envolvente e uma letra que é uma verdadeira declaração de amor. “Cry” é a primeira música do álbum a mostrar o poder da voz da Kelly no álbum. “Don’t Let Me Stop You”, assim como todo o álbum, abusa da bateria, deixando a música mais contagiante. “Already Gone” é a faixa com a letra mais emotiva, mas caiu como uma luva para a voz da Kelly Clarkson. “Save You” é uma das melhores músicas do álbum, a batida é um tanto agitada, até chegar aquele piano quase no final da música, que quase nos faz chorar. Mas a voz da Kelly Clarkson fica melhor na última faixa (“If No One Will Listen”), onde ela canta como uma verdadeira diva, nos deixando motivados para viver a vida como ela é. Como sempre, Kelly Clarkson mostrou que é uma cantora para múltiplos gostos em “All I Ever Wanted”, nos fazendo chorar em uma música e logo depois nos deixar alegres e motivados.  



     São poucos os artistas que saem de suas bandas de sucesso e embarcam numa carreira solo tão boa quanto a banda em que participava. Um desse raros casos é a Lauryn Hill. Vocalista da banda de R&B The Fugees, Lauryn obteve sucesso tanto como a vocalista da banda como em sua curta carreiras solo, que até agora só tem esse disco. "The Miseducation Of Lauryn Hill" é uma combinação totalmente harmoniosa de soul e R&B. As músicas desse álbum não são daquelas pra deixar no celular pra ouvir sempre, mas são aquelas que, quando ouvimos, nos faz relaxar e esquecer do mundo a nossa volta. A voz da Lauryn é ótima e tem um poder imenso para cantar, principalmente as faixas R&B. Além disso as letras das músicas são completamente inteligentes, mostrando que a maior inteligência não se adquire na escola, mas sim no convívio com a sociedade. "The Miseducation Of Lauryn Hill" é um daqueles álbuns que é difícil escolher as melhores faixas, porque todas as músicas têm seu valor e sem alguma delas o álbum não ficaria tão bom quanto é!   




***********************************************

Leu e comentou? Então seja um Top Comentarista.
CLIQUE AQUI e saiba como participar.


12 comentários:

  1. Gostei muito dessa postagem, achei muito bem elaborada. Achei um blog que além de assuntos literários também fala da música, o melhor deixa sua opinião bem explicita. Algumas pessoas tem receio de expor sua opinião a cerca do que pretende postar, pois não que confrontar com as demais opiniões.

    ResponderExcluir
  2. Tem duas cantores dessa sua lista que sempre escuto. São elas Avril Lavigne e Kelly Clarkson. Adoro as duas e quando posso estou ouvindo.



    Um leve bater de asas para todos!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Bem eu não só fã de um gênero musical ou de um álbum ou nada especifico por isso não vou dar a minha opinião sobre a postagem, mas achei a ideia legal da postagem.

    ResponderExcluir
  4. Nossaaaa
    Muita coisa boa. A Gwen eu amo desde No Doubt. Bey... nem precisa falar. Eu confesso que gosto mais de I am que de Sasha Fierce, embora Single Ladies seja de arrasar.Pra completar ainda a Kelly Clarckson diva, Avril e o Michael clássico... É...rsrs... Sua semana começou bem. O Pink Floyd eu nunk escutei inteiro, mas procurarei ouvir.

    ResponderExcluir
  5. Adoro escutra musica mas muitas vezes sou jugada por causa do meu gosto um pouco ... incomum ! Bem conhece bem pouco das muicas que você citou mas já estou indo escutar elas pra ver se gosto ! ^^

    ResponderExcluir
  6. Matheus Silva Pereira8 de agosto de 2012 09:36

    Pode ouvir q vc ñ vai se arrepender!!!!

    ResponderExcluir
  7. Adoro musica e sou bem ecletica. Muito ouvi Billie Jean na minha adolescencia. Amava. Na verdade quase não presto atenção no nome de quem está cantando, assim se já ouvi os outros cantores não lembro. Bjksss

    ResponderExcluir
  8. Quanta coisa boa. Desde pequena eu adoro as músicas do Michael. Gwen eu adoro também e kelly Clarkson e Avril Lavigne nem se fala... Não gosto muito de Beyonce, mas também não odeio rs. As outras músicas eu não conheço, mas irei dar uma pesquisada.
    http://laviestallieurs.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Avril e Kelly super fodas. Adoro as duas. Não curto os outros que apareceram aqui.

    ResponderExcluir
  10. Vc tem um ótimo gosto musical, adorei as músicas. Adoro as músicas da Kelly Clarkson, faz um tempão que eu não ouço as músicas da Avril, mais ouvi essa musica dela e amei.

    Parabéns pelo post, adorei.

    ResponderExcluir
  11. Bons cantores e álbuns, mais uma vez percebi que você gosta de diversos estilos musicais, e isso é legal. Pra mim, o melhor álbum citado acima é o do rei Michael J. Kelly Clarkson também é fera...

    www.entrepaginasdelivros.com/

    ResponderExcluir
  12. pelo menos uma pessoa eu sei q reconhece meu bom gosto, aki onde eu moro todo mundo só curte sertanejo e fica me criticando! rsrsrs

    ResponderExcluir