postado por Matheus em 03 setembro 2012

O Que passou Por Meus Fones #6

     Por causas pessoais (PREQUIÇA!) eu não pude postar a minha amada coluna semanal no dia correto, no domingo, mas eu venho aqui para mostrar, mesmo atrasadamente, tudo de bom que eu ouvi! Essa semana eu ouvi mais discos que o normal e por falta de tempo eu deixei pra fazer as resenhas tudo na última hora, e ontem eu estava com aquela preguiça... Enfim, aqui está tudo que eu ouvi! Espero que gostem e não esqueçam de comentar. Se comentou aproveita e participe do Top Comentarista clicando aqui, lembrando que o brinde do mês é o mais novo lançamento do Nicholas Sparks pela Editora Novo Conceito, o livro Um Porto Seguro.



Who's Next | The Who

     Na semana retrasada eu escrevi a resenha de “The Who Sell Out” e afirmei que o álbum era um dos melhores da banda. Pode até ser que seja um dos melhores (só ouvi dois até agora), mas, sem dúvida nenhuma, esse é muito melhor que o outro. O álbum veio depois do projeto fracassado de um álbum nunca lançado, “Lifehouse”. A produção desse disco causou um grande desentendimento entre o produtor da banda e o guitarrista e também líder da banda, Pete Townshend. Depois de perceberem que isso não daria certo a banda decidiu voltar à Inglaterra (eles estavam nos EUA) com um outro produtor e começar um álbum do zero. Foi assim que nasceu essa obra-prima do rock! 
     A primeira faixa, “Baba O’Riley”, tem um tom psicodélico e vocais poderosos do vocalista. O álbum todo é puro rock, mas é em “Behind Blue Eyes” que o álbum mostra o seu grande poder artístico. A letra é totalmente poética e profunda, de uma realidade sem tamanho. O simples violão com o vocal seria necessário pra música ser boa, mas um pouco antes do final entra outros instrumentos que deixam a faixa ainda melhor. Essa é a música que não te é estranha, mas você não sabe onde ouviu! “Who’s Next” é um grandioso disco da era de ouro do rock, que nem era para existir, mas com o fracasso de um disco outro veio para mostrar que aquele fracasso não foi nada ruim.


I'm Not Dead | Pink

     A Pink tem uma personalidade única, musicalmente falando. Enquanto em alguma música ela despreza as cantoras pop atuais (como em “Stupid Girls”)  em outras ela canta baladas feitas para ficar em #1 lugar nas paradas de sucesso, assim como todas as outras cantoras que ela menosprezou um pouco antes. Em “I’m Not Dead” essa sua personalidade entra em evidência! O álbum começa com a já citada “Stupid Girls” que é uma crítica as patricinhas (e as cantoras pop) que fazem de tudo pra aparecer e alcançar seu lugar ao sol. Já na próxima faixa, “Who Knew”, ela faz justamente o que as cantoras pop fazem: uma balada com uma letrinha romântica e um ritmo empolgante, pronta pra ficar em #1. “Nobody Knows” segue esse mesmo estilo, mas com uma letra mas bem composta e um ritmo mais tocante.
     O álbum tem várias músicas boas, mas nenhuma chega aos pés de “Dear Mr. President (feat. Indigo Girls)”. A música é perfeita! Antes de tudo tenho que falar que o vocal da Pink nessa música é muito bom, e o backing vocal da banda Indigo Girls completa sua voz. Mas o destaque dessa música é a letra. Ela é verdadeira, trágica e dramática, tudo junto, sendo acompanhada pelos ótimos vocais já citados. Quando vi a tradução pela primeira vez eu realmente chorei, e são poucas as vezes que eu choro ouvindo música. Ela toca no fundo do nosso coração, fazendo uma crítica à política de uma forma linda. O resto do álbum fica oscilando entre os dois estilos da Pink, mas nenhum de nós podemos negar que “I’m Not Dead” está repleto de faixas empolgantes, letras inteligentes e vocais poderosos da Pink.


Moon Safari | Air

     Muitos DJs e bandas de músicas eletrônicas vêm da França. E não podemos negar que de lá sai os melhores artistas do gênero. Mas poucos soam tão bem quanto Air. Não sei o que sua música tem de diferente que ela consegue ser retrô e moderna ao mesmo tempo. Todas as faixas são repletas de sintetizadores e, claro, instrumentos eletrônicos. Para complementar as lindas melodias, em algumas faixas, aparece a voz encantadora da (ou do, a dubla é formada por dois homens, mas a voz soa muito feminina) vocalista. Em “Sexy Boy” ela soa estranhamente linda, nos parecendo que veio de outro planeta. Em “All I Need” ela soa menos estranha, mas continua linda. A letra dessa música é bem repetitiva, mas tem um toque romântico bem diferente. “You Make It Easy” é relaxadora, tanto no ritmo como na letra um tanto estranha. Todo o disco mantêm o mesmo estilo, letras repetitivas com toques eletrônicos relaxantes e ótimos, mas isto é o Air.  


She Wolf | Shakira

     Esse álbum da Shakira soa, ao mesmo tempo, eletrônico, latino, sexy, conservador, dançante... Se eu fosse listar todos os adjetivos que podem se encaixar nesse disco eu enxeria linhas e mais linhas. E é por isso que todo mundo gostará de, ao menos, uma música do álbum. A faixa título abre o álbum muito bem, com batidas dance e um ritmo bem latino. Logo após vem “Dit It Again” com um ritmo mais empolgante, não deixando ninguém parado. Além disso a voz da Shakira no refrão é extremamente bela! O videoclip dessa música é ótimo, com uma das melhores coreografias que já vi. “Why Wait” é um pouco estranho pro meu gosto. Não caiu muito bem juntar o ritmo latino da voz da Shakira com o ritmo egípcio da música. “Men In This Town” é mais calma, mas nem por isso deixa de ser boa. 
     “Gypsy” é muito sensual, mas de uma forma conservadora. A letra não tem nada sobre sexo ou outras coisas do gênero, ela fala apenas de amor, puro amor. O que deixa a música sexy (e boa) é o vocal, melhor do que nas outras faixas. É claro que a Shakira não esqueceria de suas raízes colombianas. Pensando neles, ela colocou as três últimas faixas como reprises de outras músicas do álbum, só que em espanhol. É devido a essa grande variedade de estilos que observamos o quão bom esse disco é, com músicas muito bem produzidas que agradam todos os gostos musicais. 


Love? | Jennifer Lopez

     “Love?” não difere em nada de tudo que estamos acostumados a ouvir hoje em dia. Está cheio de hits e mostra uma diva cantando, sem um grandioso talento. Isso não quer dizer que o álbum é ruim. Pra aqueles que gostam de músicas dançantes e contagiantes o álbum é ótimo, mas pra aqueles que gostam de ouvir um álbum por suas qualidades artísticas ele não agradará muito! O álbum começa com o mega-hit “On The Floor (feat. Pitbull)”. Essa é uma das melhores músicas do álbum! O sample de “Chorando Se Foi” caiu muito bem com o ritmo no refrão. Depois vem “Good Hit” com um toque bem empolgante e um ritmo de hit (AVÁ). A mistura de rap com pop em “I’m Into You (feat. Lil Wayne)” é boa, mas eu já vi essa combinação em músicas melhores. Na faixa “Papi” o sangue latino de JLo ferve! Mesmo com uma ótima percussão e um ritmo empolgante a faixa não é tão boa quanto poderia ser. O melhor lado de Jennifer é mostrado em “Villain”. Ela canta com uma sensualidade sem tamanho, conseguindo a façanha de me deixar excitado ouvindo música (rsrs). Resumindo tudo isso, “Love?” é um álbum mais do mesmo, com faixas mais bem produzidas e outras menos, mas que merece ser ouvido por os adoradores de música pop.



     Para quem estava acostumado a ouvir o My Chemical Romance de antigamente, mais emo, esse álbum pode parecer estranho. Mas somente aqueles abertos a mudanças de estilo irão perceber o quão bom esse álbum é, ouso dizer: melhor que os anteriores! O primeiro motivo que nos mostra a qualidade do álbum é que ele é conceitual, ou seja, conta uma história. Hoje em dia é muito difícil fazer álbuns do tipo, vender bem e fazer músicas boas, mas eles conseguiram! A primeira música é “Na Na Na (Na Na Na Na Na Na Na Na Na)”, que dita o ritmo do disco: um rock enxuto, com batidas empolgantes, bons vocais e, acima de tudo, sem nenhuma "emotividade". 
     Um pouco depois vem “SING” um dos melhores hits de 2010 e 2011 e uma das minhas música preferidas. Ela é ótima em todos os jeitos. A batida meio misteriosa combina com a letra motivadora, mas esse ritmo sai de cena no refrão, onde Gerard Way (vocalista) nos emociona com um poder extraordinário! Essa música teve um cover feito pelo seriado Glee, que conseguiu ser ótimo do mesmo jeito. Além desse cover, a própria banda fez uma versão diferente da música como uma motivação para as vítimas do terremoto no Japão. A música não difere muito da original, mas o videoclipe é extremamente emocionante, me fazendo chorar na primeira vez que vi. O restante do álbum soa tão bom quanto essas músicas citadas, nos mostrando que mudanças de estilo nas bandas nem sempre vêm para o mau.



Num tempo em que a briga entre a melhor banda de britpop estava entre Oasis e Blur apareceu Pulp, tomando o lugar dos dois e se consagrando tão boa quanto elas. Apesar do pouco tempo no auge e o pouco conhecimento da banda atualmente Pulp é uma ótima banda, com uma mistura diferente de rock alternativo e britpop. De todo o álbum a contagiante faixa “Common People” se destaca. Ela começa com um ritmo melódico (assim como o resto do álbum) mas não demora muito pra mostrar o que a voz do vocalista tem de melhor: um poder de nos emocionar sem letras dramáticas ou ritmos tristes. A faixa “I Spy” soa misteriosa demais, não me agradando tanto. “Different Class” soa inteiramente assim, faixas melódicas intercaladas com boas doses de empolgação, muita "retrocidade" e bons vocais, capazes de deixar uma música simples extremamente ótima.


Love. Angel. Music. Baby. | Gwen Stefani 

     Há algum tempo atrás eu ouvi o outro disco solo da Gwen, “The Sweet Scape”, e agora eu me pergunto: “como ela conseguiu fazer um álbum ruim depois de um tão bom”? Como ela conseguiu esse façanha eu não sei, mas não se pode negar que esse disco é muito bom. A grande mistureba de gêneros pode deixar o álbum estranho na troca de faixas, mas mesmo com faixas completamente diferentes o disco é contagiante e bem “alegre”. O álbum começa com “What You Waiting For” que por sua vez começa como um número de musical e depois pula logo para um ritmo bem dance e pop. Depois vem “Rich Girl”, sendo ela uma mistura de rap com pop e um toque de dance
     A próxima faixa é o maior hit de Gwen Stefani, “Hollaback Girl”. A polêmica do excesso da palavra shit (merda) na letra pode ter ofuscado a qualidade musical da faixa. Ela tem uma combinação muito boa entre os instrumentos de uma fanfarra e a música pop com o hip&hop. “Cool” pode parecer melódica e repetitiva demais, mas a beleza na voz da Gwen prevalece. “Crash” não me agradou muito. A sua batida de hip&hop da década de 80 parece que saiu de algum DJ de uma gangue nova iorquina. É em “The Real Thing” que a grande influência dos anos 80 no álbum resplandece, com um ritmo parecido com aqueles que estamos acostumados a ouvir naqueles DVDs piratas com clips de flashback ou aqueles programas de rádio chamados “Túnel do Tempo” ou algo do tipo. Esse álbum pode não ser tão bom quanto outros de pop lançados na mesma época, mas comparando com seu álbum posterior, Gwen está ótima em “Love. Angel. Music. Baby.”.       






13 comentários:

  1. Adoro a Pink e Shakira. Escuto as vezes My Chemical Romance.

    Parabéns por ter um gosto musical tão eclético.

    Um leve bater de asas para todos!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Tenho ouvido mto pouca musica ultimamente. Mas gosto de Shakira de J.LO.Bjksss

    ResponderExcluir
  3. Tenho ouvido muitas coisas por esse dias principalenete musica japonesa !

    ResponderExcluir
  4. putz, MÚSICA JAPONESA??? eu realmente ñ gosto desse estilo, mas como cada um tem seu gosto...
    rsrsrs

    ResponderExcluir
  5. Anda com bom gosto né, hehehe. Gosto muito do álbum Love da Jennifer Lopez

    ResponderExcluir
  6. Nossa! Tem uns artistas que até curto um pouco e outros conheço. Ae!

    ResponderExcluir
  7. Tem uns ai que não conheço não, haha.. mas gosto de Shakira e Jennifer Lopez! Não sou muito de ficar ouvindo música, ouço mais quando to arrumando a casa, lavando a louça sabe, rsrs. E perdi o fio de passar as músicas pro celular (ja que fico ouvindo só pelo fone ou de vez em quando uma rádio), dai ele ta meio desatualizado.

    ResponderExcluir
  8. eu tbm adoro ouvir música enquanto to fazendo alguma coisa!!! rsrs nos dá mais animo!!!

    ResponderExcluir
  9. Adoro essa coluna, vc sempre trazendo novas músicas e outras nem tão novas, mas que são muito boas, como quase em todos os post dessa coluna vc trazendo mais músicas da banda My Chemical Romance que adoro, A pink tbm gosto bastante das músicas dela.
    parabéns pelo ótimo post, adorei algumas músicas.

    ResponderExcluir
  10. q bom q vc gosta dessa coluna!!! em questão de MCR eu já ouvi todos os álbuns deles q eu tinha q ouvir! kkkk agora só d outras bandas!!!

    ResponderExcluir
  11. Essa coluna é muito nova pra mim, nunca tinha visto essa novidade em outros blogs. Por mais que eu não tenha ouvido a maioria ai, tem alguns cantores que eu adorava ouvir tempos atras, como Gwen Stefani, My Chemical Romance *-*, Pink, Jennifer Lopez e Shakira.
    Eu já tinha percebido que o MCR tinha dado uma mudada no estilo da música e cheguei até a ouvir Na Na Na, mas o que me fazia ouvir era a melancolia da música deles rsrsrs meio emo mesmo.

    ResponderExcluir
  12. É verdade! Eu odeeio lavar a louça, mas ai começo a ouvir e a dançar e cantar dai faço rapidinho! rsrs

    ResponderExcluir
  13. Shakira *---* Eu adoro essa música, na verdade gosto de várias músicas dela. Não tinha visto a coluna ainda e achei bem criativa, uma boa maneira de trazer coisas diferentes para o blog ;)

    Gislaine,
    atualizado, comenta?
    Jeito Inédito

    ResponderExcluir