postado por Matheus em 13 janeiro 2013

O Que Passou Por Meus Fones #18




Demorou, mas agora está aqui o primeiro O Que Passou Por Meus Fones do ano!!! Eu só não postei antes essa minha querida coluna porque a internet da minha casa tinha caído (só pra variar), mas hoje eu vou mostrar tudo o que eu ouvi desde que começou o ano. Foram poucos discos, mas todos de grande qualidade.
Não viu o último post da coluna? Veja aqui!
Leu, gostou e comentou? Participe do Top Comentarista do mês de Janeiro clicando aqui e concorra ao livro Finale, o último da série Hush, Hush.





Desde que apareceu no cenário musical a Lana Del Rey divide opiniões. Alguns acham que ela tem uma ótima voz, suave e poderosa. Outros já acham que ela é mais uma dessas cantoras pop atuais, que nem têm tanto talento, mas por um motivo ou outro fazem fama. Você pode achar o que quiser de suas músicas, mas depois de ouvir “Born To Die - The Paradise Edition” você não pode negar: a Lana canta muito bem.
Talvez o único problema de suas músicas seja as melodias, por vezes excessivamente melosas (e às vezes sonolentas). Mas pela voz única da Lana vale a pena ouvir esse disco. Essa versão deluxe do seu álbum é dividida em dois discos: o primeiro era o disco normal de antes e o segundo são as faixas inéditas.
O primeiro disco começa com a faixa título, um começo esplêndido que já nos mostra o estilo que iremos ouvir mais a diante. Essa música tem uma batida calma, melancólica, mas estranhamente contagiante. A voz da Lana é excepcional, cantando de uma forma simples e igualmente linda, dando mais valor a letra profunda e nem um pouco superficial ou desprezível. A próxima faixa, “Off To The Races” dá uma contagiada a mais na melodia, mas a voz da Lana continua profunda e linda como sempre. Mais a frente vem a faixa que pode muito facilmente ser considerada a melhor do disco: “Video Game”. Essa música tem um ritmo extremamente calmo e relaxante, com um toque simples de piano e rápidas passadas de harpa. Mas a voz da Lana Del Rey é o grande destaque da música; nessa música ela junta todo o seu poder melancólico para quase “recitar” a música de uma forma profunda e emocionante. A composição da mesma também merece uma observação, uma linda história com um grande toque poético e um pouco de romantismo. “National Anthem” começa com uma batida calma, mas no refrão entra em cena um ritmo mais forte, engrandecendo ainda mais a voz camaleônica da Lana. “Radio” é outra grande faixa do álbum! A melodia dela é mais-do-mesmo, mas a voz da Lana parece um vislumbre de uma época esquecida em que as cantoras cantavam em clubes de jazz sem nenhuma aparelhagem eletrônica.
Já o segundo disco do álbum não é tão grandioso quanto o primeiro, mas quem se encantou com as linda músicas do anterior vai adorar esse disco. Ele abre com a extremamente melancólica e melodramática “Ride”, mas que mesmo com toda melancolia se mostra uma grande música. “Cola” pode parecer risível para uns e propositalmente polêmica para outros. O motivo de todo esse bafafá é um único verso da música, em que a Lana diz que suas partes baixas tem o gosto de refrigerante de cola. Fora essa ousadia a música não difere das restantes. Se em “Radio” a voz da Lana parecia a de uma legítima cantora de jazz em “Blue Velvet” ela parece uma cantora de blues perfeita, com um grande nível melancólico e com uma melodia que não desfoca sua voz. O álbum fecha de uma forma perfeita. “Bel Air” é uma das músicas mais lindas lançadas ultimamente. Tudo nela é extremamente magnífico. A melodia calma e melosa completa a letra, extremamente romântica e de um alto nível poético. É desnecessário dizer que a voz da Lana é esplêndida!
Mesmo com todos esses elogios eu tenho que dizer que “Born To Die - The Paradise Edition” é um disco para poucos. Suas melodias são de um nível melancólico que poucos aguentam, e há pouquíssimas músicas contagiantes no álbum. Mas qualquer um que admira uma linda voz ou músicas muito boas (artisticamente falando) vai amar esse ótimo disco.   


Mylo Xyloto | Coldplay  

A grande maioria das músicas do Coldplay tem uma mágica indecifrável, sendo que elas sempre são capazes de nos relaxar, nos alegrar, ou mais drasticamente nos levar para o fundo do poço. O disco mais recente deles, “Mylo Xyloto”, contém essa mágica no maior nível possível!
O disco tem uma introdução instrumental que já nos mostra o que esperar do álbum. Depois vem a música “Hurts Like Heaven”, que se inicia com vocais contagiantes e extremamente alegres do Chris Martin. Esses vocais se completam com a melodia um tanto experimental e com um tom mais pop do que rock, mas mesmo assim ótima. Depois dessa vem o hit “Paradise”, uma música verdadeiramente sensacional! O ritmo dessa música deixa de lado o estilo pop empregado na maior parte do disco para trazer a tona aquele rock relaxante e leve que o Coldplay sempre usava. A letra dessa música é linda, e ela se torna emocionante quando observada junto com o videoclipe extremamente cativante que a música tem. “Charlie Brown” é outra música com um ritmo sem igual, sem contar nos vocais leves e profundos do Chris. Nesse disco não há nenhuma música extremamente depressiva como a chorável “The Scientist”, mas mesmo assim há outras músicas mais calmas que tem um nível emocional sem igual. Esse é o caso de “Us Against The World”, uma música lacrimejante e igualmente apaixonante, que conta com uma composição extremamente romântica e carinhosa e com vocais profundos do Chris.
“Every Teardrop Is A Waterfall” com um ritmo que se parece mais com uma música eletrônica, mas logo aparece aquele tom soft rock juntamente com os vocais tocantes do Chris, criando assim uma das músicas mais contagiantes do álbum. “U.F.O.” é outra música que entra pra coleção das músicas lacrimejantes do Coldplay. Mas não é pra menos: essa música tem um estilo acústico emocionante, sem contar na letra e nos vocais igualmente emocionantes. Depois de toda essa nostalgia aparece a faixa “Princess Of China (feat. Rihanna)”, outra pérola do álbum. Seu estilo é mais pop do que as restantes, mas é incrível como ela se encaixa bem no álbum. Para engrandecer ainda mais a música a Rihanna ajuda o Chris nos vocais, dando um tom mais feminino no álbum, mas sem cair na qualidade vocal (a Rihanna está incrivelmente boa na música). O videoclipe dessa música também merece todo respeito, uma verdadeira obra-prima oriental, com direito a figurinos estupendos e um estilo completamente artístico. O disco fecha de uma forma completamente melancólica com a música “Up With The Birds”, uma música simples mas igualmente emocionante.
Resumindo tudo “Mylo Xyloto” é um disco espetacular, que mistura com maestria todos aqueles estilos que o Coldplay usava para criar músicas extremamente contagiantes. Isso sem contar que esse disco tem um nível emocional sem igual, capaz de deixar nossa alma leve e fazer com que nos esqueçamos do mundo à nossa volta.


¡Tré! | Green Day 


Esse terceiro e (infelizmente) último disco dessa trilogia composta pelo Green Day dá a continuação aos ótimos “¡Uno!” e “¡Dos!” de uma forma muito legal, mas não tão boa quanto nesses dois álbuns anteriores.
Em “¡Tré!” o estilo rock de garagem descontraído predomina igual aos dois discos anteriores. Mas em “¡Uno!” e “¡Dos!” as músicas tinham um quê a mais em relação a empolgação, sendo que a grande maioria das músicas de “¡Tré!” não são tão contagiantes como antes, mas nem por isso elas perdem o seu valor. O disco abre com a música “Brutal Love”, que mostra muito bem essa falta de animação presente no álbum. Ela tem uma letra bonitinha, mas a batida dela é melosa demais, principalmente no começo da música; mais a frente entra uma guitarra mais contagiante e uma bateria empolgante, mas nem por isso a música perdeu essa “melosidade”. A faixa “Missing You” é de um estilo muito comum nesses três últimos discos; ela é uma balada um tanto romântica, mas tem uma batida bem rock ‘n’ roll contagiante. Todo esse romantismo vem principalmente da letra, bem direta e sem nenhum toque poético. “Drama Queen” tem o mesmo nível meloso da primeira faixa, mas talvez pelos vocais mais emocionantes do Billie ou pela letra repetitiva (mas mesmo assim linda) essa faixa é muito boa, calma e perfeita! Mas para contrabalançar toda essa melancolia vem a faixa “X-Kid”, bem contagiante e no estilo punk de sempre do Green Day, sem contar que nessa música aquelas composições inteligentes de antes voltam novamente. “Walk Away” também é muito contagiante e tem uma batida bem legal, mas não tem nada de “espetacular”. Esse disco fecha com uma música que, muito facilmente, pode ser a melhor de todo o disco: “The Forgotten”. Ela agrupa tudo aquilo que o Green Day sabe fazer de melhor: uma melodia melosa ao ponto certo, vocais perfeitos e uma letra poética com uma pitada de romance. A melodia dessa música em si é perfeita, com um piano marcante acompanhando toda ela e alguns outros instrumentos melancólicos. Todo esse nível de romance e melancolia fez com que essa música entrasse na trilha sonora do filme A Saga Crepúsculo – Amanhecer Parte 2. Eu não assisti ao filme, mas pelo que eu estou sabendo se o filme em si não for bom a trilha-sonora será, pois a grande maioria das músicas contidas no disco são tão perfeitas quanto “The Forgotten”.
Considerando todas as músicas de “¡Tré!” nós veríamos um disco razoável, não tão bom quanto os dois anteriores da banda, mas que mesmo assim tem o seu valor. Mas com algumas observações a mais em algumas músicas podemos perceber que elas são perfeitas, tanto para os fãs mais animadinhos como para aqueles mais melancólicos.


Robyn Is Here | Robyn


Para aqueles que pouco conhecia a Robyn e tiveram o “Body Talk” como o disco de apresentação será até estranho ouvir esse disco de estreia dela. Isso porque o estilo dos dois é completamente diferente, sem nenhum traço de igualdade. Enquanto em “Body Talk” um estilo electro-pop dominava aqui o que mais toma conta é um R&B contagiante, mas com uma boa dose de pop.
Esse estilo de “Robyn Is Here” era o que mais predominava na época por conta de bandas bem conhecidas como TLC e Destiny’s Child; então se você está acostumado com as músicas delas esse disco é uma boa pedida. A faixa “In My Heart” tem essa batida R&B bem contagiante e ainda por cima uma letra romântica ótima. “Do You Know (What It Takes)” foi um dos primeiros hits da Robyn, chegando a #7 posição nos EUA. Mas não é pra menos, essa música tem a mesma batida R&B contagiante mas há também um toque de dance music, deixando a faixa ainda melhor.  Em “Show Me Love” uma aura romântica vem à tona, deixando essa música uma das mais cativantes do disco, e também uma das mais românticas. Um pouco mais a frente vem outra pérola do disco: “Don’t Want You Back”. Essa música é um desabafo ótimo de ser ouvido, isso por sua sonoridade unicamente perfeita. “Do You Really Want Me (Show Me Respect)” é mais uma das músicas com uma composição romântica perfeita, mas em questão de melodia essa música flui para um lado bem pop, principalmente no refrão extremamente contagiante. Para fechar o disco de uma forma perfeita a Robyn não poderia se sair melhor do que em “I Wish”. Essa música é a cappella, ou seja, só tem a voz da Robyn e mais nada! Mas mesmo assim a música se mostra maravilhosa, mostrando uma Robyn com uma voz linda e mais uma letra romântica perfeita.
“Robyn Is Here” é uma ótima opção para os mais diversos gostos. Com esse disco você pode conhecer essa ótima cantora que é a Robyn, que mesmo tendo uma boa voz não abre mão de boas batidas para suas músicas, criando assim esse disco contagiante e, podemos dizer, único.   






18 comentários:

  1. Acredita que nunca ouvi nada da Lana Del Rey?

    Amo as músicas do Coldplay! Adoro a música The Scientist, Paradise e Princess Of China. São as minhas favoritas!

    ResponderExcluir
  2. São poucos q conhecem a Lana, mas quem ouve gosta. Do Coldplay essas músicas que vc citou são realmente as melhores, mas depois de ouvir esse disco teve muitas outras que eu adorei!!!

    ResponderExcluir
  3. Nunca ouvi nada da Lana Del Rey e nem conhecia a Robyn...
    Já Coldplay eu não sou muito fã. Não sei porque, mas acho as músicas deles meio enjoativas... :S

    Amo Green Day!! Eu tenho esses três discos, e também acho que ¡Tré! não é tão bom quanto os anteriores. Gosto da faixa X-Kid...

    A minha favorita entre a trilogia continua sendo a faixa "Kill the DJ", do primeiro álbum: ¡Uno!

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. não consigo ouvir Lana Del Rey.... =/ não funcion comigo.já Green Day e Coldplay é outra conversa!adorei esse último cd do coldplay. e vou confessar,eu tenho esse cd da Robyn.kkkkkkkkkk! é lagal ok. rsrs

    ResponderExcluir
  5. O único que me arrisco a escutar é Coldplay. Os outros não conheço ou não gosto do estilo. Vamos ver se no próximo rola algo mais no meu estilo...

    ResponderExcluir
  6. Dessas bandas eu só escutei Coldplay e Green Day, gosto das duas, mas depois de cantar uma música dessa segunda em um trabalho da escola fiquei um pouco traumatizado com suas músicas pois sempre lembro do dia da apresentação! hahaha

    Não gostei muitooo dessa musica da Lana, mas não é de todo ruim!

    Desse novo disco do Coldplay eu só tinha escutado uma música, aproveitei agora para ouvir outras e gostei bastante!

    Até arrisquei a escutar uma do Green Day, The Forgotten, e gostei bastante, bem melancolica, mas realmente na medida certa!

    ResponderExcluir
  7. Gosto bastante de Coldplay e Green Day, mas a Lana Del Rey está ganhando um espaço constante na minha playlist! No começo, não gostava mto... achava meio melancólico demais. Agora to apaixonada! rsrs

    Beijos,

    Nica

    http://nicasdrafts.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. A Lana e a Robyn merecem ser ouvidas!
    Eu tbm adoro o Green Day, mas pra mim a melhor música dessa trilogia foi Amy, do ¡Dos!.

    ResponderExcluir
  9. Conheço mts pessoas q ñ conseguem ouvir a Lana. A grande maioria dorme no meio das músicas... rsrsrs
    Já esses outros três são pra todos os gostos, eu realmente adoro os três!

    ResponderExcluir
  10. Q bom q vc ficou inspirado para ouvir outras músicas!!! ^-^
    Já cantar na escola é um grande risco, nunca corri esse perigo e pretendo continuar assim até sempre!!! kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  11. Comigo aconteceu a mesma coisa em relação a Lana. A primeira vez q eu ouvi o disco eu quase dormi de tão melancólico q eu achei, mas agr q eu decidi dar uma segunda chance e ouvir d novo eu percebi q ela tem ótimas músicas!!!

    ResponderExcluir
  12. ADOOOOOOOOOOOOOOOORO Coldplay e Green Day *-*

    Minha mãe é muito viciada em coldplay, ela escuta todos os dias, sem brincadeira.

    Beijos,

    Fernanda,

    www.lendoeesmaltando.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Gosto muito do Coldplay. Andei ouvindo a lana Del Rey, mas confesso achei meio deprê, ela tem a voz muito linda, mas as melodias das músicas dela não me convenceram. Já Green Day, ouvir uma vez e não consegui mas parar, simplesmente adorei. Nunca ouvir nada da Robyn, pelo menos que eu lembre.


    Bjosss!

    ResponderExcluir
  14. a Lan tem uma voz única, melnacólica e triste, mas perfeita. a Robyn é pouco conhecida, mas é uma ótima cantora, vale a pena procurar!!! ;)

    ResponderExcluir
  15. adorei o post , vc escolheu perfeitamente, adoro tudo!

    ResponderExcluir
  16. Dessa lista, só não conhecia a Robyn. Os outros nomes são bem interessantes, e às vezes escuto um pouco de cada.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  17. Queria comprar os albuns de Coldplay e Green Day, mas my mom nao deixo, enfim adoro ambas as bandas.

    ResponderExcluir
  18. Nossa você só escuta musica que eu não escuto rsrs nem dá pra comentar vou ver se procuro elas no youtube hehe


    bjos

    ResponderExcluir