postado por Matheus em 02 julho 2013

Resenha | Após a Tempestade

Autor: Karen White
Editora: Novo Conceito
Páginas: 416
Skoob: Adicione
Compre: Encontre o melhor preço!


Sinopse
Quando Julie tinha 12 anos, sua irmã mais nova desapareceu e nunca mais foi encontrada. Uma perda que corroeu os laços familiares e deixou sua mãe obcecada pela busca da irmã. Já adulta e com um prestigiado emprego, Julie conhece Monica, que a faz lembrar muito de sua irmã desaparecida há 17 anos. Elas se tornam melhores amigas, uma amizade que começa como um processo de cura para Julie. No entanto, uma fatalidade abate a amizade e Julie se vê responsável pelo filho de Monica. Ela decide levar o menino para Biloxi, Mississippi, para encontrar a família que ele não conhecera. A partir dessa viagem, Julie descobrirá segredos que estão ligados a sua família e seu passado...


Resenha

Fugindo completamente da minha preferência literária (romances policiais ou ficções fantásticas), Após a Tempestade parecia ter uma história interessante quando vi sua sinopse, mas depois de começar a lê-lo eu me desanimei, vendo uma história simples e sem muitos atrativos. Sendo assim, o desafio para continuar a leitura até o fim foi grande, mas no decorrer da leitura percebi que o livro não era o que aparentava, e então percebi a inteligência do livro, que pode não ser notada durante a leitura, mas que aparece quando ficamos pensando sobre os ensinamentos que o livro nos dá.

A história inicial conta como a morte de Mônica afetou completamente a vida de Julie. Mônica havia fugido de casa a algum tempo, deixando irmão, avô e avó para trás e indo até Nova Iorque. As duas eram grandes amigas, mas uma fatalidade acontece e Mônica morre. A partir daí a vida de Julie vira de cabeça para baixo. Mônica deixa a tutela de seu filho Beau (então com cinco anos) para Julie, assim como também deixa um misterioso quadro pintado pelo bisavô de Julie, Abe Holt, e a sua parte de uma casa destruída com o furacão Katrina, a grandiosa River Song. Julie não tem nenhuma vocação para cuidar de crianças, e o desaparecimento de sua irmã Chelsea quando ainda eram crianças também faz com que ela fique mais apreensiva ao cuidar de Beau. Em relação à River Song Julie não sabia muito bem o que fazer. Talvez vender sua parte para arranjar dinheiro para tratar de Beau fosse a decisão mais presumível, mas então ela realiza o desejo de Mônica ao embarcar numa aventura para poder reconstruir River Song, fazendo assim com que aquela casa traga lembranças boas ao filho de Mônica assim como deu à ela própria.
- Porque algumas coisas nunca devem ser esquecidas. Não importa se é uma lembrança que nos ensine alguma coisa ou uma lembrança de algo precioso, como um botão para rebobinar a vida. Às vezes, é só o que temos.
Pág. 302
Então Julie se vê numa vã, com Beau atrás, a caminho de Biloxi, no Mississipi, não só para tentar reconstruir River Song, mas também para mostrar ao Beau o resto de sua família que ele nunca conheceu. Chegando lá ela vê o estado em que está River Song, completamente destruída e sem nenhuma visão provável de uma futura reconstrução. Depois desse começo desanimador Julie vai até a casa de Aimme, vó de Mônica que cuidou dela na infância (bisavó de Beau, obviamente), para mostra-la seu bisneto. Lá também ela conhece Trey, irmão de Mônica, e não se dá muito bem com ele. Ele detém a outra metade de River Song, e então para podê-la reconstruir eles terão que se unir e entrar em um acordo. Isso seria fácil se Julie não o achasse tão arrogante, isso graça as personalidades dos dois, tão conflitantes.
Aimee se vê então responsável para motivar Julie a reconstruir River Song, um sonho também dela. E então ela começa a contar sua história de vida misteriosa, desde que ela era uma criança até conhecer os irmãos Gary e Wes Guidry, que, depois de crescida, se veria dividida entre o amor dos dois. Isso sem contar nos pais problemáticos dos dois, principalmente a mãe, uma figura deslumbrante, mas beberrona e causadora de más impressões na sociedade da época, isso sem contar no seu passado obscuro.
Se vendo sempre motivada pela história não só da Aimme mas também de outras famílias que tiveram a coragem de reconstruir suas casas em zonas de risco Julie segue em diante com seu plano para reconstruir River Song junto com Trey, além de aprender muito mais com a vida e também descobrir segredos de sua família e também da família de Mônica que ela nunca imaginou descobrir.
- As respostas que buscamos nem sempre são aquelas que desejamos, certo? Mas saber a verdade é o que nos ajuda a dormir a noite.
Pág. 148

Depois desse “breve” resumo da história podemos notar a simplicidade da mesma. Mesmo com poucos personagens e atos e acontecimentos marcantes o que realmente chama atenção é a moral de cada um, assim como as lições de vida que eles conseguem tirar de diversos acontecimentos que envolvem vários deles.
Nem sempre podemos escolher o lugar que nossos corações chamam de lar.
Pág. 249
E é por esse motivo que o livro se mostra bom. Todas essas morais de vida nos inspiram, através de diversas frases inspiradoras e feitas exclusivamente para nos fazer pensar, mérito da Karen White. Para ajudar a nos “filosofar” há algumas questões de discussão sobre o livro no final dele, algo que em minha opinião serve muito mais para um clube de leitura feminino do que para um leitor solitário.
Aqueles que esperam partes emocionantes e vibrantes no decorrer do livro vão se arrepender profundamente. Nenhuma das passagens nos emociona profundamente. Mesmo que possamos sentir compaixão por alguns personagens nenhum deles é capaz de criar um vínculo forte com o leitor. E esse é um dos pontos negativos do livro, a falta de emoção.
Os segredos que são revelados no final também não causam aquele “bam” pelo qual todos estavam esperando. Eles são contados de forma singela, sendo esse o principal motivo pela emoção ser quase extinta do livro.

Começando com uma capa sem simplória, o livro é bom, esteticamente falando. Como a maioria dos livros da Novo Conceito o tamanho da letra é bem agradável, o espaçamento é bom e as margens são bem espaçadas. O único defeito do livro, fisicamente falando, é o seu tamanho, representando ser extremamente longo para aqueles que o veem por fora.

O livro é feito para um público bem específico: aqueles que procuram histórias simples mas que mudem algo em sua vida. Então aqueles vidrados por histórias mirabolantes podem ir tirando o seu cavalinho da chuva, pois esse livro não o agradará, a menos que você tenha coragem de seguir até o fim e sinta-se interessado pela história de Julie.  


OBS: Como eu disse, o livro é cheio de ensinamentos sobre a vida. Abaixo estão outras citações fantásticas que podemos ver no livro:
-Ela começou a morrer no momento em que nasceu. Acho que isso acontece com todos nós, mas alguns estão programados desde o começo.
Pág. 19
O passado é melhor quando esquecido.
Pág. 69
Mas tínhamos deixado nossa infância para trás, o peso da vida adulta nos encontrara. Não havia volta.
Pág. 263
-Já aconteceu alguma vez de você querer tanto saber a verdade a ponto de ficar cego para todo o resto?
Pág. 294
-Às vezes mentimos para nós mesmos e para aqueles que amamos por acharmos que isso vai protegê-los.
Pág. 403  


Avaliação:





Top Comentarista
Se ainda não está participando, faca sua inscrição AQUI através do aplicativo e leia as regras para não ser desclassificado!








21 comentários:

  1. ganhei esse livro em uma gincana em outro blog,espero ler em breve. a sinopse é bonita e bom saber que é um livro que apesar de começar chatinho ,passa uma mensagem bonita =) eu acho linda a capa dele,simples,mas com um significado.as vezes é bom a gente sair da nossa "zona de conforto" na leitura, se arriscar em outros tipos,eu não gosto de distopia,mas li Divergente e mal vejo a hora de ler Insurgente.rsrs

    ResponderExcluir
  2. matheus_spereira2 de julho de 2013 23:13

    tbm gosto d sair da minha "zona literária", até agr nunca me decepcionei completamente, e até já fiquei fã de um romance (gênero ñ mt adorado por mim): Orgulho e Preconceito *--*

    ResponderExcluir
  3. Ana Paula Barreto2 de julho de 2013 23:27

    Comprei este livro há umas semanas e estou doida para ler. É exatamente o tipo de livro que amo, cheio de lições e reflexões. Gosto muito de obras que mudem algo em mim (mesmo que seja só um pouquinho).
    Esta história pode não ser mirabolante, mas parece bem construída, com personagens interessantes. Espero não me desapontar!
    bjs

    ResponderExcluir
  4. matheus_spereira3 de julho de 2013 14:39

    realmente, o livro é mt bem escrito, ele muda algo em vc, msm vc ñ sabendo mt bem o q...

    ResponderExcluir
  5. Samuel Lima Moreira3 de julho de 2013 15:11

    Me apaixonei o livro concerteza tem algo para mudar em nós, adorei, e não posso perder tempo tenho que acessar agora mesmo o Submarino, e colocar esse livro no carrinho junto com mais alguns.


    Ótima resenha.

    ResponderExcluir
  6. Gosto de livros dramaticos e que tragam alguma reflexão, sim. Ou uma boa lição pra minha vida. Só não acho legal quando a história se prolonga além do que precisa, podendo ser resolvida em 200 páginas, mas o livro tem 400... cansa. Gosto da história objetiva.

    Aqui adorei os conflitos das personagens. Adoro um bom drama. E já posso imaginar qual é o mistério dessa ligação... espero estar certa e gostar da leitura tb.

    ResponderExcluir
  7. matheus_spereira3 de julho de 2013 22:27

    brigadu!! =)

    ResponderExcluir
  8. matheus_spereira3 de julho de 2013 22:29

    realmente, drama é o q mais tem no livro.
    mas enfim, o livro realmente se prolonga demais,mas acho q isso foi necessário para a boa trama.

    ResponderExcluir
  9. Eu me senti obrigada a ler esse livro mas como você disse a estória é simples mas meio filosofico então eu gostei dessa parte filosofica!

    ResponderExcluir
  10. Gabrielle Roveda5 de julho de 2013 23:04

    Gosto de livros que nos dão morais de vida, que nos ensinam com seus fatos. É um jeito de nos livras de alguns maus que possam haver em nossas vidas. Alguns aprendizados! Adorei o livro. Um que gosto muito que segue os mesmos padrões é Sonhe Mais, ótima leitura!

    ResponderExcluir
  11. matheus_spereira6 de julho de 2013 19:45

    esse pra mim é o melhor do livro: msm q ñ nos emocione ele consegue nos ensinar ou nos deixar pensando em algo relacionado a nossa própria vida!

    ResponderExcluir
  12. Michelle Ladislau15 de julho de 2013 14:00

    Um livro que faz você pensar na vida e em tudo que nos cerca, acho maravilhoso!


    Vou procurar esse livro para ler!


    Beijinhos

    ResponderExcluir
  13. Michelle Ladislau15 de julho de 2013 14:39

    Livros que nos fazem pensar mais nas nossas decisões e vida, me cativam, adoro! Esse parece ser um livro assim!


    Beijinhos

    ResponderExcluir
  14. Esse livro também foge da minha preferência literária, mas às vezes gosto de fugir da minha zona de conforto, e ler alguns livros com essa pegada que esse tem. E acho que um livro pra cativar, não é necessário que tenha uma uma história mirabolante, basta ser simples, mas ser bem contada.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  15. Tenho um grande interesse em ler esse livro, mas ainda estou com um pé atrás, já que algumas resenhas que li não foram muito animadoras =/

    ResponderExcluir
  16. Ana Carolina Lopes23 de julho de 2013 12:42

    Eu li e inclusive resenhei esse livro no meu blog , e tive a mesma impressão que você ;)

    Vem ver a minha :

    http://livroselivrosana.blogspot.com.br/2013/07/resenha-apos-tempestade-karen-white.html

    ResponderExcluir
  17. Mais um que vai pra minha lista de eu quero kkk

    ResponderExcluir
  18. Eu gosto de livros que nos roubam momentos de reflexão. Esse talvez seja um livro que eu queira ler um dia... Confesso que até agora não tinha parado para ler nenhuma resenha a respeito desse livro. A sua me trouxe expectativas boas. Vou procurar acompanhar outras reflexões a respeito e quem sabe um dia eu possa ter minha opinião própria.

    ResponderExcluir
  19. Apesar de ter um enredo interessante, o livro não me chamou muito a atenção. Já li muitas resenhas sobre ele e nunca tive curiosidade. Talvez eu o leio depois, não é minha prioridade

    ResponderExcluir
  20. Livros que trazem a reflexão são válidos pela simplicidade,drama,personagens e história,podem começar sem grandes pretensões mesmo mas,quando estão na metade conquistam pela profundidade e ensinamentos sobre a vida.

    ResponderExcluir
  21. Michelli Santos Prado29 de julho de 2013 14:52

    Adoro variar minhas leituras, e amo este "tipo de livro", que te fazem pensar, um livro leve para poder pensar nas coisas do dia-a-dia .

    Gostei bastante da resenha =)

    ResponderExcluir