postado por Matheus em 11 julho 2013

Resenha | Em Busca de um Final Feliz

Autor: Katherine Boo
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288
Skoob: Adicione!
Compre: Encontre o melhor preço!
Sinopse
Em Busca de um Final Feliz, de Katherine Boo, é um livro brilhantemente escrito. Através de uma forte narrativa, descobrimos como é o dia a dia dos moradores de Annawadi, uma favela à sombra do elegante Aeroporto Internacional de Mumbai, na Índia. A história de seus habitantes nos faz rir e chorar, porque “o que é celebrado neste livro não é o que poderíamos chamar toscamente de ‘o encanto da lama’, mas a riqueza das pessoas que — para o bem e para o mal — compõem um tronco social que está cada vez mais presente no nosso mundo moderno”. (Zeca Camargo, em prefácio a esta edição).
O leitor vai se apaixonar por Sunil Sharma, o menino catador de lixo que quer ficar rico, por Manju, a moça mais bonita da favela, que quer ser professora, e até pela tresloucada Fátima, a Perna Só, que só quer um pouco de atenção.


Resenha

Qualquer obra que tenha como proposta mostrar a realidade de alguma pessoa ou de um grupo de pessoas tem uma difícil missão pela frente. Não se pode exagerar no melodramático para a obra não parecer forçada, também não se pode apenas contar os fatos de uma forma crua, sem demonstrar nada; isso sem contar que é necessário escolher muito bem o que vai entrar ou não na obra, escolhendo o que realmente importa na história central. É levando esses quesitos (entre muitos outros) em consideração que podemos ver a maestria de Katherine Boo para escrever sobre a difícil realidade de favelados na Índia em Em Busca de um Final Feliz.
Todos em Annawadi queriam ser um daqueles milagres, cujas vidas eram transformadas nesta nova Índia. Eles queriam passar de um zé-ninguém para um herói, como diz o ditado, e queriam isso muito rápido.
Pág. 55

Katherine Boo mostra nesse livro a realidade dos diversos habitantes de Annawadi, uma pequena (e miserável) favela em Mumbai, Índia, sob os olhares de diversos moradores, cada um deles com seus medos, peculiaridades, esperanças e sonhos. Há Sunil, um jovem catador de lixo com medo de não crescer mais e que sonha em ter um futuro melhor e assim não acabar como muitos de seus amigos: mortos ou vivendo miseravelmente na favela. Também há Asha, uma mulher determinada a enriquecer e tirar sua família da miséria, mesmo que para isso ela tenha que entrar na corrupção da política indiana. Manju, sua filha, não concorda com os meios de sua mãe ganhar dinheiro, e, pensando num futuro mais digno para si mesma, ela sonha em se tornar professora.
Mas ainda assim a história gira em torno de Abdul Husain e sua família. Abdul é um jovem revendedor de lixo em Annawadi. Com esse simples negócio ele e o restante de sua família, que inclui sua mãe, seu pai e seus muitos irmãos, conseguiram sair da zona de extrema pobreza, e até ter algumas regalias, como uma televisão comprada a prestações. Fátima mora num barraco ao lado do deles, e volta e meia arranja confusão. A Perna Só, como comumente é chamada devido a ter apenas uma perna, vive traindo seu marido, e para muitos essa é apenas mais uma forma dela querer chamar atenção. Um dia, durante a reforma da casa de Abdul, da qual Zehruniza (sua mãe) ficou enormemente feliz, uma parede que também fazia parte da casa de Fátima caiu, começando assim uma discussão. Fátima nunca se deu bem com a família de Zehrunisa, e com isso ela arranjou um bom motivo para começar a discussão, discussão essa que foi parar na delegacia. Voltando da delegacia Fátima discute mais uma vez, agora com Karam (pai de Abdul), e essa discussão foi ainda mais longe, com Karam ameaçando bater nela. Num ato de egoísmo, Fátima ateia fogo em si mesma durante a noite, sabendo que assim ela poderia abrir um processo contra os Husain por imolação, levando-a a cometer o suicídio. O processo, para desespero dos Husain, segue em frente, e ao fim Abdul, Karam e Kehkashan (irmã de Abdul) são processados. E é através deles que descobrimos o Estado corrupto e repugnante da Índia, onde tribunais julgam seus casos rapidamente sem prestar a devida atenção a eles e onde subornos policiais são mais importantes que a verdade eminente. A triste realidade de um país que poucos realmente conhecem...
Embora Abdul tivesse medo de fantasmas, [...] essas histórias não o assustavam mais. Ser aterrorizado por seres vivos parecia ter diminuído seu pavor pelos mortos.
Pág. 154

O jeito com que Katherine Boo nos conta a história dessas pessoas é de uma incredibilidade ímpar. Ela consegue misturar tudo o que é necessário para que o livro fique bom, emocionante, mas ainda assim imparcial. Ela nunca pende para o lado de ninguém, e essa era a grande meta dela. Ela queria mostrar o porquê das pessoas fazerem o que fazem, mostrar que o contexto em que moravam era o que causava tudo aquilo; ou alguém iria beber veneno de rato apenas por diversão? Até mesmo a tresloucada Fátima não é acusada de nada nas suaves e ao mesmo tempo cruéis palavras de Katherine.
Mesmo não incriminando ninguém é facilmente perceptível a repugnância com que Katherine Boo se refere ao Estado indiano. Essa sua repugnância não é escancarada, mas ela mostra os “bastidores” do governo indiano com seus detalhes mais instigantes que é impossível não pensar que ela não concorda muito com isso. Entre todos esses fatos políticos dos quais ela nos mostra o que mais nos comove é a remoção dos favelados de Annawadi por causa da expansão do luxuoso aeroporto que fica ao lado, sendo que utilizando desse fato a Katherine nos mostra uma das passagens mais emocionantes do livro, que mesmo sendo curtíssima (e dizendo respeito a uma personagem não antes mencionada) nos comove profundamente devido ao detalhismo certeiro de Boo e ao grandíssimo senso humano presente em suas palavras.
Você já pensou quando olha alguém, quando ouve alguém, se essa pessoa realmente tem uma vida?
Pág. 229
Esse luxuoso aeroporto é comumente descrito no livro, e com isso é feito um contraponto com a pobreza da favela que está ao lado, esquecida pelos mais “altos”. É nesse aeroporto que muitos annawadianos ganham a vida, sendo em empregos miseráveis ou catando o lixo que todos jogam e depois o vendendo.
A emoção que sentimos durante as breves 288 páginas é sem igual. Isso não quer dizer que caímos aos prantos em todas as páginas, mas sim que essa emoção é diferente, verdadeira e sem exageros. A comoção pelo modo de vida dos annawadianos só aparece em momentos cruciais da história, no restante tudo o que fazemos é reparar nos mínimos detalhes da vida particular de cada um e ficar pensativo sobre o estado do mundo atual. Ainda que tenha toda essa comoção o livro também nos causa estranhas risadas: uma risada leve, simples, melancólica e nem um pouco exagerada. É impossível se esquecer do icônico e idiota outdoor do aeroporto que dizia que aquele azulejo era “lindo para sempre, lindo para sempre, lindo para sempre”.

A capa desse livro é de uma simbologia única. Essa simples foto de uma menina no meio do esgoto (que corre bem no meio de Annawadi) olhando para cima e com os olhos fechados mostra poeticamente a esperança que ainda resta no coração de todos os annawadianos. Adentrando ao livro, a primeira coisa que vemos é um prefácio do Zeca Camargo, que, na minha opinião, mostrou de uma forma bem “Rede Globo de televisão” a crueza do livro, sendo um tanto sensacionalista demais. Não faria falta se não existisse! Os capítulos do livro são um pouquinho grandes, nada exagerado ou que canse a leitura. A fonte é diferente e ainda assim agradável, igualmente ao seu tamanho. O espaçamento é bom e as margens também. Ou seja, tudo conspira para uma leitura prazerosa e única.
Abdul conseguia controlar muitos de seus desejos, mas não esse. Queria ser identificado como algo melhor que a água suja onde morava.
Pág. 252

Para a grande maioria dos leitores assíduos de hoje em dia, acostumados à ficções emocionantes, a realidade de Em Busca de um Final Feliz pode soar simples e para outros até sem graça. Mas apenas o fato de conhecermos mais sobre a realidade da Índia faz com que a leitura seja essencial à todos.
Esqueça as belezas infindáveis de Caminhos das Índias ou a verdade um tanto amenizada de Quem Quer Ser um Milionário? e se aprofunde nesse livro, pois assim você vai conhecer tudo o que se passa no submundo indiano. Depois dessa leitura eu posso te assegurar que você verá o mundo com outros olhos.


Avaliação:




Top Comentarista
Se ainda não está participando, faca sua inscrição AQUI através do aplicativo e leia as regras para não ser desclassificado!






21 comentários:

  1. A história parece ser bem cativante, toca lá no fundo, vale pena dar uma conferida.

    ResponderExcluir
  2. Olá,realmente as vezes é necessário que a gente se desligue um pouco dos sonhos,da magia,a realidade é a que vivemos,para nós brasileiros esse com certeza é um maravilhoso livro,pq nós tbm somos um povo com muitas dificuldades,é necessário que respeitemos mais a cultura e modo de viver das outras pessoas!bjos

    ResponderExcluir
  3. Esse livro deve ser muito lindo pois conta a realidade e não magia e dinheiro que lemos em outros livos as vezes nós precisamos de ler um livro realista pois livros não são apenas contos de fada e eu gostei muito desse livro com toda ceterza.

    ResponderExcluir
  4. não é o tipo de livro que eu correria para ler,mas com certeza,é uma história que emociona.o povo da Ìndia é um povo sofrido,com uma grande riqueza cultural,a ambição e a injustiça dos governantes afundaram o país nessa lama.é um tema interessante e que as vezes choca,morar em pleno esgosto não é exagero,é infelizmente a realidade da família em questão.é admirável que a autora tenha conseguido ser imparcial e tenha feito um livro que impressionasse com a realidade crua.agora,esse prefácio do Zeca Camargo...hehehe. como disse, não é um livro que eu esteja ansiosa para ler,mas aparecendo a chance,com certeza vou ler.

    ResponderExcluir
  5. Samuel Lima Moreira11 de julho de 2013 21:09

    eu ainda não pois não gostei da capa, mas após ler a resenha me fez pensar 2 vezes.

    ResponderExcluir
  6. Esse livro não faz muito o gênero literário que eu gosto, por isso nunca fui muito a fundo pra saber sobre ele, o que eu sabia era só o que dizia na sinopse. Mas olha vou ser sincera, depois da tua resenha, eu estou muito tentada a ler esse livro, essa foi a 1ª resenha que leio sobre ele, e simplesmente me conquistou. As histórias envolventes e emocionantes dos personagens, as leis fraudulentas, a corrupção e o lado obscuro da índia me fizeram ter um outro olhar sobre o livro e dar uma chance para ele. Sempre vemos o lado luxuoso da Índia, com seus ouros, roupas finas, lindas construções, porém não vemos o que a maioria das pessoas desse país passa, e acredito que esse livro mostre uma pequena parcela disso tudo, mostra a verdadeira realidade da Índia, uma Índia pobre, carente, e negligenciada.
    Assim que eu tiver a oportunidade com certeza vou ler esse livro.
    Parabéns pela resenha, Adorei!!!

    ResponderExcluir
  7. realmente o Brasil passa por inúmeras dificuldades, mas depois de ler esse livro eu percebi q a Índia está realmente num estado de calamidade igual ou até pior...
    mas ainda assim há espaço para conhecermos mais sobre a cultura fascinante dos indianos. Vale a pena ler se tiver a oportunidade... ;)

    ResponderExcluir
  8. chocante o livro realmente é, mas ñ propositalmente, é apenas a realidade!


    já esse prefácio do Zeca Camargo... sem comentários... rsrsrsrss

    ResponderExcluir
  9. realmente, a sinopse ñ é mt encorajadora...


    mas enfim, q bom q vc gostou da resenha! se vc ler o livro com essas expectativas q vc escreveu vc irá adorar!!! Vale a pena ler... ;)

    ResponderExcluir
  10. Gosto de leituras assim, que me contem de lugares que desconheço, que revelem as dores de seus habitantes e suas dificuldades, mas também apontem em que caminhos andar.
    Imagino a Índia a partir do que vejo na tv, de algumas leituras, mas não em profundidade, como a obra parece mostrar, sem pretensões didáticas. Eis a habilidade da escritora: apresentar esse universo a partir de um ponto (a favela e seus habitantes) sem apelos, com o distanciamento certo pra não provocar intencionalmente a emoção no leitor. Mas que acerta em cheio e envolve.
    Eu quero ler.

    ResponderExcluir
  11. Leia e ñ se arrependerá! ;)


    (tenho certeza que o seu conhecimento sobre a Índia aumentará, e mt!)

    ResponderExcluir
  12. Michelle Ladislau15 de julho de 2013 14:34

    Eu tenho esse livro, mas ainda não tive a oportunidade de ler, me parece ser bem interessante a temática dele!


    Beijinhos

    ResponderExcluir
  13. Desde que vi esse livro fiquei com aquela vontade de ler, pois bem, ainda não li. A capa diz tudo e como você disse é de uma simbologia única. A história por ser baseada principalmente na realidade deve tocar muito nosso interior e abriria mão de outros livros para ler esse, deve ser maravilhoso!

    ResponderExcluir
  14. Confesso que quando vi a capa desse livro, não me interessei. Mesmo sabendo que existem esses problemas sociais no mundo inteiro, fico bastante incomodado em ler sobre essas realidades. Ou seja, esse eu passo.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  15. Já li tantos comentarios e resenhas positivas sobre esse livro, que acabou chamando a minha atenção para o assunto do livro, mas por algum motivo não consegui me interessar o suficiente por ele.

    ResponderExcluir
  16. Ana Carolina Lopes23 de julho de 2013 12:31

    Só a capa já nos faz pensar sobre a nossa realidade !

    O livro por ser real e não uma ficção , promete nos ensinar muitas lições de vida , por isso aguardo ansiosa por ele na minha estante ;)

    http://livroselivrosana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Me emocionei só de ler a resenha cara, se eu ler então eu vou chorar =c

    ResponderExcluir
  18. Eu li esse livro e me emocionei! Apesar de ser relatado de maneira simples através do cotidiano dos moradores da favela, há uma profundidade muito grande. Só de saber que são momentos reais, ficamos profundamente tocados pelo estilo de vida dos personagens. É um livro com uma grande abordagem cultural. Apresenta uma realidade tão diferente da nossa, que o mínimo que faz, é emprestar outros olhos para que possamos enxergar o mundo.

    ResponderExcluir
  19. Ainda não li o livro, mas parece ser um livro emocionante. Da para refletir sobre a realidade somente pela capa. Não sei se lerei, porque provavelmente chorarei muito. Tenho que preparar psicologicamente primeiro, pois deve ser uma leitura um pouco difícil

    ResponderExcluir
  20. Nossa realmente um livro emocionante, verdade que no livro é possível encontrar pessoas com sonhos, com desejo de viver que nos permite fazer reflexões nessa história que infelizmente,é o que acontece em muitos locais, principalmente pela revelação do esquema de propina e desvio de verbas públicas,como mencionado em outras resenhas,vamos saber como isso acontece e com certeza ficaremos impressionados por todo esse esquema e acompanhar personagens que vivem na própria pele esses problemas que tornaram-se comuns no dia-a-dia.
    Interessante o livro da Autora Katherine Boo.

    ResponderExcluir
  21. Michelli Santos Prado29 de julho de 2013 15:31

    O titulo já me chamou muito a atenção desde a primeira vez que o vi.
    Deve ensinar muitas coisas, e fazer agente refletir um pouco né. Achei melhor ainda o fato de ser verídico, já está na minha lista de desejados. A capa também mexeu muito comigo, e não sei explica mas eu sinto que preciso ler esse livro *.*
    Beijos flor

    ResponderExcluir