postado por Matheus em 16 setembro 2013

Resenha | A Culpa é das Estrelas

Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 288
Skoob: Adicione!
Compre: Encontre o melhor preço!
Sinopse
A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.
Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar.




Resenha

Pode parecer estranho, mas é difícil escrever um livro de romance/drama que agrade a muitos, do ponto de vista emocional. O melodrama é visto como uma forma a mais de dar emoção ao livro, e por isso incontáveis autores utilizam disso para construir suas histórias, por vezes melosas. Mas também há aqueles que vêem nesse melodrama uma forma barata de fazer com que o livro contenha fortes emoções. E por isso alguns autores deixam de lado esse quesito e acabam nos mostrando uma história com poucas “grandes emoções”. Portanto, é de suma importância que, para que o resultado final do livro seja gratificante, o escritor consiga dosar muito bem esse “nível melodramático”. E é isso que John Green fez, tornando A Culpa é das Estrelas um dos livros juvenis mais incríveis e inexplicáveis no campo do romance.
 “[...] alguns infinitos são maiores que outros.”
Pág. 173

A história gira em torno de Hazel Grace, uma jovem portadora de câncer. Ela sabe muito bem que com essa doença sempre a perseguindo ela nunca terá uma vida normal, e para amenizar um pouco essa monotonia que é a sua vida seus pais decidem inscreve-la numa daquelas reuniões onde diversas pessoas com câncer se encontram e discutem sobre a vida, suas esperanças, seus sonhos e tudo mais. Hazel acha tudo isso uma baboseira sem sentido, mas para satisfazer o desejo de sua mãe em vê-la se socializar mais Hazel decide ir até lá sempre que possível. Nada demais acontece por lá, e para ela sempre é a mesma coisa. Mas um dia Isaac, um dos participantes do grupo, leva consigo um amigo, Augustus Waters. Hazel nunca foi de ligar muito para meninos, mas Augustus... Ela sabia, olhando pra sua cara, que Augustus não se diferenciava de todos os outros meninos: bonito, mas sem nenhum valor a mais.
“-O mundo não é uma fábrica de realização de desejos.”
Pág. 195
Mas é então que os dois começam a conversar. Assim como Hazel, Augustus se mostrou com um senso de humor sarcástico, algo que cativou Hazel ainda mais. Não demorou em que os dois conversassem mais e mais, dia após dia. Hazel sabe que sente algo referente à Augustus, mas não sabe o que. Ela sempre resiste ao termo “namoro”, pois acha que logo irá morrer, e sem um namorado ela terá menos uma pessoa a quem entristecer depois de sua morte. Mas a vida nunca toma os rumos que se deseja, e Hazel logo se vê apaixonada por Augustus, e Augustus por ela. Os dois sabem que nada entre eles será fácil, e ao decorrer do livro diversos dilemas sobre a vida, o amor, a dor da perda e muito mais saltam do subconsciente de Hazel, levando a trama em linhas inimagináveis, capazes de emocionar até o mais duro coração.
“Estou apaixonado por você e não quero me negar o simples prazer de compartilhar algo verdadeiro. Estou apaixonado por você, e sei que o amor é apenas um grito no vácuo, e que o esquecimento é inevitável, e que estamos todos condenados ao fim, e que haverá um dia em que tudo o que fizemos voltará ao pó, e sei que o sol vai engolir a única Terra que podemos chamar de nossa, e eu estou apaixonado por você.”
Pág. 142

Essa base emocional e visivelmente romântica é mais que necessário para se fazer um bom livro de romance. Mas o John Green não fica apenas nisso. Ele escreve de um jeito tão leve e ao mesmo tempo divertido e entristecedor que são incontáveis as passagens onde é impossível não se sentir diferente. Uma mistura de alegria, melancolia e diversão: é isso que sentimos ao ler A Culpa é das Estrelas! Um sentimento que, numa única palavra, pode ser descrito como agridoce.
“Eu tenho medo de ser esquecido.”
Pág. 18
Lendo a simples sinopse é bem provável que muitos pensem numa tragédia iminente na história. Acontecendo ou não uma tragédia, diversas partes da história são tão divertidas e inteligentes que é impossível não rir. Mas é um riso simples, quase bobo, que se dá devido às piadinhas sarcásticas e inteligentes, características dos adoráveis personagens principais.
Para equilibrar o livro no termo emotivo, ele também contém seu lado mais meloso. É bem visível que o romance central não é lá dos mais inovadores, pois há sim partes melosas e outras mais melodramáticas. Mas a forma como o Green desenrola a trama é tão cativante que quase não notamos esses pequenos defeitos. E, além disso, o romance entre Hazel e Augustus é tão surreal e lindo que é impossível não gostar...
“Você sabe que tentar me manter a distância não vai diminuir o que eu sinto por você [...] Todos os esforços para me proteger de você serão inúteis.”
Pág. 116
Como os estúdios cinematográficos não perdem tempo, já há uma adaptação sendo gravada. Como de praxe, é impossível não criar altas expectativas para um filme baseado num livro tão bom. Pelo pouco que foi divulgado é difícil pensar algo de princípio. O diretor é novato, o ator que viverá Augustus também é (Ansel Elgort), mas a atriz que viverá Hazel já é capaz de agradar a muitos, sendo ela a Shailene Woodley, indicada ao Globo de Ouro por sua atuação em Os Descendentes e futura protagonista de Divergente (outra adaptação literária). Só nos resta ver as fotos divulgadas dos sets de filmagem do filme (abaixo) e esperar pelo melhor.


A capa é minimalista, com um ótimo contraste e cheia de estilo. As margens são boas (principalmente quando se leva em consideração o tamanho reduzido do livro) e a fonte é extremamente confortável. É impossível se cansar no decorrer da leitura.

A Culpa é das Estrelas fez um estrondoso sucesso no ano passado, e ainda continua no meio de incontáveis conversas entre leitores. Uma pequena prova de que esse livro não foi feito apenas para agradar aos amantes de um bom romance, mas sim a todos aqueles com o mínimo de emoção no coração. Palmas ao incrível senso emocional de John Green! 
“[...] quase todo mundo é obcecado por deixar uma marca no mundo. Transmitir um legado. Sobreviver à morte. Todos queremos ser lembrados.”
Pág. 280 

Avaliação:  




Top Comentarista
Se ainda não está participando, faça sua inscrição AQUI através do aplicativo e leia as regras para não ser desclassificado!







19 comentários:

  1. Mesmo adorando a leitura, em momento algum achei os personagens fofos. Pelo contrário, achei eles fortes, determinados e ainda assim vulneráveis.


    Mas enfim, tbm estou com altas expectativas para o filme! Se ele conseguir ser tão emocional quanto o livro ele cumprirá seu papel!

    ResponderExcluir
  2. Este livro é incrivelmente encantador. Acho que o John é um autor muito capaz e sabe dosar as informações.
    Muita gente achou a história triste, mas simplesmente não consegui sentir o mesmo. Para mim, os personagens são maravilhosos, muito fortes e muito humanos. E eles vivem intensamente, aprendem, amam, etc. Eu vi esta história mais como uma bela forma de viver até em momentos terríveis, e como os relacionamentos genuínos fazem diferença na vida de uma pessoa.
    Recomendo muito!
    bjs

    ResponderExcluir
  3. A Culpa é das Estrelas é quase uma unanimidade. quem leu se emocionou, chorou e amou toda a história. Hazel e Gus são personagens fantásticos e marcantes, Jonh Green acerpou em cheio em mostrar que o amor transforma e nos da força mesmo em situações que achamos que não vamos aguentar. nem tem muito o que se falar sobre esse livro maravilhoso. sim ele é um pouco clichê, mas não atrapalha em nada a leitura, pelo contrário. chorei muuuuito, mas muito mesmo lendo ele, e tenho a impressão que vou sair do cinema carregada. rsrs adorável livro.

    ResponderExcluir
  4. Realmente um livro comovente!
    É impossível não se emocionar com um livro que fala sobre alegria e tragédia ao mesmo tempo, e John Green escreve de forma tão envolvente e triste, ele já entrou para a lista de Autores preferidos.
    A história de Hazel e Augustus é narrada de maneira tão sutil e divertida que chegamos a esquecer da condição na qual eles vivem.Os personagens idealizados por John Green são extremamente inteligentes, sarcásticos e apaixonados por livros.John Green conseguiu transformar um tema pesado como o câncer numa história doce, sensível, inteligente e bem-humorada!Também aguardando o filme!

    ResponderExcluir
  5. Oi Matheus, a expectativa em relação ao filme realmente é grande, espero que eles não mudem o enredo, ou os detalhes, assim as chances de repetirem o que nos emocionou no livro serão altas.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  6. Eu ñ achei o livro tão triste assim. É claro que ele ñ contém aquele final feliz q estamos acostumados a ver, mas é essa realidade escrita pelo John em termos da vida e dos relacionamentos que deixou o livro tão bom!!

    ResponderExcluir
  7. Acho q esses clichês da história ajudaram mt em deixá-lo tão adorável! :)

    ResponderExcluir
  8. Tbm adorei o fato de o John Green escrever com leveza sobre um tema tão complicado (principalmente quando se fala de romance). Não sei se ele já entrou pra minha lista de autores preferidos (tenho q ler outro livro dele logo, logo) mas A Culpa é das Estrelas foi extremamente marcante!

    ResponderExcluir
  9. Meu principal medo em assistir filmes baseados em livros é q eles retiram os detalhes mais cruciais da história, ou então mudam-os completamente.
    Não sei se o filme será capaz de nos emocionar tanto quanto o livro, mas acho q, de um jeito ou de outro, ele será bem feito.

    ResponderExcluir
  10. Eu não consigo entender porque o povo venera esse livro eu li o livro duas vezes e ele não me tocou pra mim ele não conseguiu equilibrar o livro ficou meloso ficou muito ai não sei definir mas não me agrada realmente o livro faz você rir mas só isso a história não me agradou.E sobre o filme tenho altas expectativas já que aparentemente o John tá acompanhando a produção de perto

    ResponderExcluir
  11. foram poucas as pessoas q ñ gostaram do livro... mas enfim, cada um com sua opinião!
    o fato de o John estar acompanhando a produção do filme é muito bom. só nos resta esperar pra ver o q vai sair!

    ResponderExcluir
  12. Ainda não li A culpa é das estrelas, mas quero muito ler. Gosto de romances sim, mas gosto ainda mais de histórias envolventes que nos emocionam levando em consideração a dor, a morte; enfim lições de vida, até aquele chacoalhão para pararmos de reclamar dos pequenos problemas.
    Gostei da resenha, da capa do livro e quando eu tiver oportunidade lerei, depois volto aqui para deixar um comentário melhor.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  13. Tenho esse livro aqui em casa, mas ainda não o li, pois sempre imaginei que era uma trama bem densa e triste. Que bom que ele tem essas pitadas de humor, o que deixa a história mais leve. Vou lê-lo em breve.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  14. Adorei a resenha, infelizmente ainda não li ao livro, mas eu quero muito ler a historia parece ser incrível e todo mundo fala tão bem, sem contar que os trechos escolhidos são ótimos atiçaram ainda mais minha curiosidade, e tem o fato de que vai virar filme né e eu quero ler antes de ver ao filme.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Achei linda a resenha, todos que já leram esse livro falam o quanto é emocionante e eu sempre imaginei como uma história triste e é por isso que estou adiando sua leitura. Mas depois dessa resenha fiquei curiosa para ver essa história. Acho que é uma linda história de amor!

    ResponderExcluir
  16. Esse livro é muitooooooooo bom! Após terminar de ler passei dois dias chorando :'(
    Bem
    esse livro me pegou de uma maneira surpreendente, eu comecei e
    simplesmente não consegui mais desgrudar dele até finalizá-lo. Chorei
    horrores com o final que o autor deu, lá no fundo eu esperava um pequeno
    milagre, mas como isto não é um filme da sessão da tarde então as
    coisas não terminam tão bem, porém eu certamente irei rele-lo novamente,
    ele é uma lição de vida.

    ResponderExcluir
  17. sidnei luis fermino7 de maio de 2014 20:50

    Oi adorei.. muito obrigado, amei a maneira que vc usou para descrever essa resenha...me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?

    ResponderExcluir
  18. Depois de ler pode vir aqui e contar sua opinião! ;)


    Tbm adoro obras emocionantes, mas ñ gosto quando a obra apela demais para emocionar. No momento até me emociono, mas depois eu percebo q foi td meio q forçado... Mas enfim, A Cupa é das Estrelas é diferente, tudo ocorre naturalmente!

    ResponderExcluir
  19. Adorei este livro!É uma leitura super leve,apesar de se tratar de um assunto não tão fácil,mas os personagens são tão fofos que nos deixa super animados para saber mais e mais da história.
    Adorei conhecer a Hazel,ela é uma menina fantástica e o Gus é super fofo.
    É um romance apesar de triste,muito bonito e que gostei muito de ler.
    Espero que o filme transmita nem que seja a metade dos sentimentos que o livro transmite quando a gente o ler.
    Bjs'

    ResponderExcluir