postado por Matheus em 27 novembro 2014

Resenha | Quem É Você Alasca

Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Skoob 
Compre


Sinopse

Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras que, cansado de sua vidinha pacata e sem graça em casa, vai estudar num colégio interno à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o "Grande Talvez". Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young, uma garota inteligente, espirituosa, problemática e extremamente sensual, que o levará para o seu labirinto e o catapultará em direção ao "Grande Talvez".



Resenha

A Culpa É das Estrelas causou um grande impacto na comunidade de jovens leitores. Disso ninguém pode negar! O impacto foi tão grande que a popularidade foi passando para os outros livros de John Green. Isso explica a grande quantidade de fãs que conseguimos encontrar de livros como O Teorema Katherine, Cidades de Papel e, é claro, Quem É Você Alasca?. Mas, por mais que a popularidade de ACEDE acompanhe estes livros, não se pode dizer que o nível de excelência dele também acompanha estas outras histórias. Pelo menos não em Quem É Você Alasca?...
Se pudéssemos ver a cadeia infinita de consequências que resultam de nossos menores atos... Mas não temos como saber disso até descobrir que é inútil.
Pág. 254


Miles Halter é um adolescente como boa parte dos demais, mas fazer amizades nunca foi seu forte, por isso sua vida social na cidade onde mora, com os pais, é um fiasco. Para dar um jeito nesse problema, ele e seus pais entram no consenso de que seria ótimo para ele sair de casa para concluir o ensino médio em um internato, mais necessariamente na Escola Culver Creek. Ele realmente não sabe o que o espera, mas ele vai decidido e sem medo, esperando poder encontrar seu “Grande Talvez”, o que daria um verdadeiro significado à sua vida.
Lá conhece Chip Martin (Coronel, para os íntimos), aquele que viria a ser seu grande amigo. Por mais que o Coronel tenha sido um grande marco em sua vida (afinal, ele é seu primeiro grande amigo!), é Alasca Young que realmente pode modificar sua vida e tudo o que conhece. Extremamente inteligente e misteriosa, Alasca tem porções iguais de sensualidade e de filosofia, de medo e de coragem. Ela consegue realmente mexer com os sentimentos de Miles, coisa que nenhuma menina havia feito antes. Mas há um problema nisso: Alasca tem namorado, o que exclui qualquer possibilidade de acontecer algo entre ela e Miles. E é assim, entre meio as incertezas da adolescência, que Miles, Alasca e o restante de seus amigos vão levando a vida em Culver Creek, aproveitando cada momento na esperança de encontrarem o “Grande Talvez” de suas vidas.
Rabe’a Al-Adiwiyah, uma grande mulher santa do sufismo, foi vista correndo pelas ruas da sua cidade natal, Basra, levando uma tocha em uma mão e um balde com água na outra. Quando lhes perguntaram o que ela estava fazendo, respondeu: “Vou jogar essa balde de água nas chamas do inferno, e depois vou usar essa tocha e queimar os portões do paraíso, para que as pessoas não amem Deus por desejar o paraíso ou por temerem o inferno, mas porque ele é Deus.”
Pág. 204-205

Para aqueles que já leram A Culpa É das Estrelas, ler Quem É Você Alasca? se mostrará bem surpreendente em relação a escrita de John Green. Em ACEDE, Green adota uma majestosa escrita fortemente focada no emocional. A história era feita para chorar, e o John Green conseguia escrever isso de maneira primorosa. Já neste livro, a escrita dele deixa de lado muito desse sentimentalismo, dando espaço para grandes discursos filosóficos sobre o amor, a juventude, a dor e a vida. É difícil dizer se ele se saiu bem nisso...
É muito provável que todos os incontáveis fãs do escritor acabem de ler esse livro chamando-o de genial, brilhante e outros adjetivos do tipo. Mas é só fazer uma leitura mais atenta para perceber que isso não está tão correto como parece. Toda aquela história sobre o Miles buscar seu “Grande Talvez” soa como uma grande bobagem em boa parte do livro; toda a filosofia empregada nisso soa artificial e sem fundamentos. São apenas amontoados de devaneios de um jovem em completa dúvida em relação à vida, sempre esperando o “ápice” de sua vida, mas nunca tendo coragem para buscar isso. Mas o grande problema deste livro não está aí.

 CUIDADO! Spoiler abaixo! (Selecione para ler)
Os capítulos são divididos metodicamente em “x dias antes” e “x dias depois”, onde x é a quantidade de dias que antecedem ou sucedem um determinado fato. Qual fato é esse? Para aqueles que não se preocuparam com o aviso de spoilers, aí vai: esse fato é a morte de uma personagem. Tendo isso bem definido, agora se pode definir qual é o “Grande Revés” de Quem É Você Alasca?.  Antes de determinada personagem morrer, a história transcorre normalmente; por vezes ela fica sem sal, mas nunca perde o fio da meada. Mas depois da morte entrar em cena, todas as páginas que se seguem são repletas de ressentimento, culpa, dor e sofrimento, tudo isso transposto de forma excessivamente forçada. As personagens que continuaram vivas se sentem culpadas pela morte daquela outra personagem e isso aparece página após página, capítulo após capítulo. Dessa forma, quando o livro enfim acaba, é bem provável que o leitor se sinta grato por ter saído daquele exagero de culpas e tristezas tão incapaz de emociona-lo.
 Fim de spoilers!

Porém, o livro não é só construído sob exageros e sofrimentos, e é quando foge disso que ele aponta indícios de ser um bom livro. John Green repete aqui sua bem sucedida fórmula de intercalar passagens tristes e divertidas num mesmo livro; neste caso, apenas as passagens divertidas surtem efeito no leitor. São diversas as partes capazes de fazer o leitor rir sem perceber, fazendo assim com que o livro não canse em todo o seu decorrer. Além disso, a história de amor entre Miles e Alasca também rende alguns bons capítulos, os poucos onde a filosofia empregada não é meramente ilustrativa.
-Passamos a vida inteira presos no labirinto, pensando em como vamos escapar dele um dia, e como vai ser quando fizermos isso, e imaginando o que o futuro guarda para nós, mas nunca conseguimos de fato sair. Só usamos o futuro para fugir do presente.
Pág. 69

Altamente criticada, a capa dessa nova edição de Quem É Você Alasca? faz por merecer. Afinal de contas, após já ter tido diversas capas, uma nova edição do livro faz com que seja necessária uma capa superior as anteriores, mas não é isso que acontece. Minimalista de uma forma que cansa, a capa não traz nada que explique a necessidade desta nova edição.  Porém, assim como nos outros títulos da Intrínseca, a formatação do texto está ótima: bom tamanho de fonte, boa margem e bons espaçamentos. No final do livro, há um irreverente guia de leitura feito pelo próprio John Green, onde ele responde algumas perguntas de seus fãs.
Não dá para simplesmente ficar prolongando certas coisas para sempre.
Pág. 15

Por mais que seja idolatrado por diversos leitores, Quem É Você Alasca? não aponta motivos para tal aclamação. A história pode até ser bem escrita, mas, em sua maioria, ela não possui uma boa fundamentação; isso sem contar em todo o exagero que o livro abriga. Mas a divertida escrita de John Green se sobressai, e são os momentos divertidos do livro que conseguem salvá-lo da terrível zona de tédio onde ele estava prestes a cair.
Quando os adultos dizem “adolescentes se acham invencíveis”, com aquele sorriso dissimulado e estúpido no rosto, eles não têm ideia do quão certos estão. Nunca deixaremos de ter esperança, pois nunca quebramos de um jeito que não tenha conserto. Achamos ser invencíveis porque somos.
Pág. 257


Avaliação:






Sobre o Autor:
Matheus
Matheus é Colaborador do blog, cinéfilo de carteirinha, leitor compulsivo e aficionado por música. Quando não está lendo, pode-se vê-lo re-assistindo Kill Bill ou então ouvindo música com os seus fones inseparáveis.


17 comentários:

  1. Bem Matheus!
    Gosto quando a análise é sincera como a sua, assim podemos saber o que poderemos encontrar realmente no livro e mostra que sua opinião é bem pessoal.
    Não li ainda e fiquei bem intrigada com a forma metódica que o livro foi escrito.

    Desejo um final de semana de muita alegria!

    Cheirinhos

    Rudy

    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. A história parece ser boa e envolvente. Tem uma trama bem elaborada pelo que li aqui. Já li algumas resenhas sobre este livro e a sua foi uma das melhores até o momento. Me deixou com mais vontade de ler. Espero conseguir logo. Pois gostaria muito de conhecer mais a história da personagem.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Cláudia Santana Schumacher28 de novembro de 2014 15:29

    Olá!!
    Sua resenha conseguiu tirar uma enorme duvida que sempre tive, se o livro é realmente bom ou é só idolatria dos fãs, a segunda opção é a mais correta.
    Tinha uma imensa vontade de ler mas a duvida do livro ser bom me "freiava". Eu pretendo sim lê-lo, mas não agora, vou deixar para segundo plano.
    E sobre a capa concordo plenamente, não é nem um pouco superior as outras, já vi melhores.
    Enfim, quem sabe um dia.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Achei que ela seria a santa da história '-' que coisa. Gostei da Alasca, e o livro parece proporcionar vários sentimentos na leitura alegria e tristeza. Gostei da quote 204-205 filosofou agora, nunca tive muita vontade de ler o livro, apesar de ser tão bem comentado, essa edição da capa ficou bem bonita que as outras. O interesse que não tinha, agora tenho um pouco.
    Abraços Matheus, ThayQ.

    ResponderExcluir
  5. Obrigada Matheus por ter tirado qualquer expectativa que eu sentia antes por Quem é você, alaska? Eu li "ACEDE" e "Cidades de Papel" e criei uma puta expectativa em cima dessa obra, porque pensei que ele seguiria um ritmo de leituras boas como Green eternamente. kkkkk Mas ainda bem o desfez talvez assim o livro não seja uma repleta decepção já que estarei preparada para o pior. Aquele seu spoiler foi muito bem colocado e realmente deve ser muito chato esse misto de sentimentos que nos é colocado a sentir. Enfim, lerei mas não sei quando kkk

    ResponderExcluir
  6. Olá, Mateus.

    Eu não sou uma pessoa que curte muito a escrita do Green, eu confesso que fui ler Quem é voce, Alasca? Sem muitas expectativas, e até sem essas expectativas esse livro não conseguiu me conquistar, eu achei super forçado tudo que acontece nele. E ainda acho que ele queria chocar os leitores com essa morte e tals. Sei lá, não curti nadinha de nada essa leitura. Até que entendi essa capa nova, mas mesmo assim.
    Vou tentar ler mais algum livro do Green e quem sabe não aproveite mais a leitura.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. O primeiro livro que li do Green foi, justamente, o ACEDE. Após esse, li mais dois e nenhum deles chegou perto do que o ACEDE representa. Li esse,.mas, para mim, o que não funcionou foi a própria Alasca. Odeio esse tipo de personagem. Talvez por isso não tenha dado nota máxima a ele.
    Mas acho que a escrita dele já se mostrava desde esse livro.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  8. Só li um livro do autor até o momento, e quero ler esse ainda, apesar de tudo. A capa dessa edição é horrorosa, mas há quem goste... enfim, não me agradou. Mas, gostei da filosofia usada no livro que li, e por saber que há filosofia aqui animei, vamos ver o que me espera, verdade? Só lendo vou tirar minhas conclusões. Mas, amei sua sinceridade.

    ResponderExcluir
  9. Se algum dia tiver oportunidade leia, pois esta é apenas minha opinião. Talvez você consiga achar no livro aquilo que eu não achei hahaha

    ResponderExcluir
  10. Também achei este quote bem filosófico. Uma das poucas partes do livro onde a filosofia sobre religião realmente dá certo...

    ResponderExcluir
  11. Pessoalmente, adorei ACEDE. É o típico romancezinho adolescente meloso, mas que dá certo hahaha
    Já Quem É Você, Alasca? é um dos casos que não dá certo...

    ResponderExcluir
  12. Compartilho com você essa opinião referente ao livro ser forçado.
    Mas, se algum dia quiser se aventurar em algum outro livro do Green, ACEDE é uma boa pedida ;)

    ResponderExcluir
  13. Sim, é bem isso mesmo. A escrita dele até que é boa, mas a personagem da Alasca foi muito mal trabalhada e desenvolvida. Do começo ao fim ela fica do mesmo jeito, e isso cansa!

    ResponderExcluir
  14. Oi Matheus. Eu também não gostei da capa, aliás, não entendi nada! kkkk Sobre o livro, nunca me despertou tanta atençõa, até porque, estou com o ACDE para ler ainda... rsrs Não li os Spoilers, porque, vai que eu queira ler um dia né...
    Abraços

    ResponderExcluir
  15. Gostei muito dos outros livros que li do John Green, estou bastante curiosa a respeito desse livro, vi algumas resenhas positivas e outras nem tanto assim, porem ainda quero muito ler.

    ResponderExcluir
  16. Aconselho você a ler ACEDE antes deste aqui hahaha

    ResponderExcluir
  17. Gosto muito dos livros de John Green, estou bastante interessada em ler esse também, parece ser ótimo.

    ResponderExcluir