postado por Funs Hunter em 27 dezembro 2014

Resenha | P.R.A.T.A. - O Assassino Relutante

Autor: Eoin Colfer
Editora: Galera Junior
Páginas: 352
Skoob
Compre

Sinopse: Chevie, 16 anos, era agente mirim do FBI até esse programa sair um pouco do controle. Trabalhando agora para Programa de RelocAção de Testemunhas Anônimas, enquanto a poeira do seu fracasso abaixa, ela acha que tudo o que precisa fazer é ficar de olho o dia todo numa máquina do tempo esquisita. Mas tédio é o que menos ela consegue quando, junto ao infeliz Riley, precisa fugir de um assassino em série da era vitoriana que os persegue através das épocas.





Chevron Savano (Chevie) participava de uma operação especial do FBI, mesmo tendo apenas 16 anos, mas por ser impulsiva transformou a operação toda em um grande desastre. Agora ela participa do Programa de RelocAção de Testemunhas Anônimas (P.R.A.T.A.) e foi enviada para trabalhar em Londres.
Riley vive em Londres, mas não necessariamente no tempo de Chevie. Ele é de 1898. Aprendiz de Garrick, um serial killer, ele está em sua primeira missão de assassinato. Já tentou fugir diversas vezes, mas o assassino sempre o encontra. Sua primeira vítima e algo extraordinário acontece! Riley se vê envolto em uma névoa e desaparece.
Garrick acha que encontrou a verdadeira mágica e a quer para ele.
– Não estou armado – disse ele. – Tudo o que tenho é dinheiro ilimitado. Posso oferecer que vocês quiserem. [...] Mas se me fizerem mal, homens virão para garantir que vocês o peguem meus segredos; homens com armas do tipo que vocês nunca viram.
Página 15

Nada parece se relacionar, mas Eoin Colfer construiu uma história capaz de prender qualquer leitor!
A viagem no tempo já foi utilizada em diversos livros e de diferentes formas, aqui é a tradicional mesmo. Uma máquina que te faz ir ao passado e uma chave que te faz retornar ao presente. Mas o que deixa a história interessante não é nada disso... O que te deixa com uma enorme expectativa é a verdadeira razão que as máquinas são utilizadas. Proteger testemunhas que correm risco de vida até que o julgamento aconteça. Não existe melhor lugar do que o passado para esconder as pessoas.

Como sempre, nem tudo sai como planejado! Chevie e Riley agora são dois jovens em fuga de um terrível assassino na Londres atual. Agora eles só podem contar um com o outro, já que ninguém mais poder ser quem aparenta. Garrick só quer a chave para poder retornar, mas não será uma tarefa nada fácil consegui-la.

Intercalando tempos, o autor consegue mesclar os acontecimentos e personagens, fazendo com que tudo que te causou dúvida vá se juntando e sendo esclarecido. 
Chevie possui uma personalidade muito forte e marcante, ela prova que realmente pertence ao lugar que deveria estar. Sem medo ou culpa, ela defenderá seu novo amigo e tentará descobrir uma forma de parar com tudo o que está acontecendo.
– O Take That é bastante melódico. E só posso dizer: Deus abençoe Harry Potter. Se não fosse por ele, Londres inteira estaria consumida pelas artes das trevas.
Página 113

A capa e o título despertam o interesse logo que você os vê. A sinopse conquista logo na primeira leitura. Claro que eu tive que ler esse livro, faz bem o meu estilo! Mas fiquei com receio quando o solicitei por não conhecer o trabalho do autor, já li grandes elogios, mas como cada um tem sua opinião, o medo de decepção era grande.
Foi ótimo constatar que esse medo era engano. O enredo te prende do início ao fim, é impossível não querer descobrir o que acontecerá com Riley, Chevie e até com o terrível Garrick de acordo com o passar das páginas.

O final (e que final) deixa a história ainda mais interessante! Como a história do primeiro livro se fecha, o desfecho nos apresenta um enorme gancho para a continuação, que já estou mega ansioso para ler.








Sobre o Autor:
Paulo Cezar
Paulo Cezar é Administrador e Cofundador do blog, descobriu o fantástico mundo dos livros quando leu, pela primeira vez, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Além dos livros, também é apaixonado por filmes e séries.


0 comentários:

Postar um comentário