postado por Paulo Cezar em 03 março 2015

Resenha | Amaldiçoado

Autor: Joe Hill
Editora: Arqueiro
Páginas: 320
Skoob
Compre

Sinopse: Ignatius Perrish sempre foi um homem bom. Tinha uma família unida e privilegiada, um irmão que era seu grande companheiro, um amigo inseparável e, muito cedo, conheceu Merrin, o amor de sua vida. 
Até que uma tragédia põe fim a toda essa felicidade: Merrin é estuprada e morta e ele passa a ser o principal suspeito. Embora não haja evidências que o incriminem, também não há nada que prove sua inocência. Todos na cidade acreditam que ele é um monstro. 
Um ano depois, Ig acorda de uma bebedeira com uma dor de cabeça infernal e chifres crescendo em suas têmporas. Além disso, descobre algo assustador: ao vê-lo, as pessoas não reagem com espanto e horror, como seria de esperar. Em vez disso, entram numa espécie de transe e revelam seus pecados mais inconfessáveis. 
Um médico, o padre, seus pais e até sua querida avó, ninguém está imune a Ig. E todos estão contra ele. Porém, a mais dolorosa das confissões é a de seu irmão, que sempre soube quem era o assassino de Merrin, mas não podia contar a verdade. Até agora. 
Sozinho, sem ter aonde ir ou a quem recorrer, Ig vai descobrir que, quando as pessoas que você ama lhe viram as costas e sua vida se torna um inferno, ser o diabo não é tão mau assim.



Sempre tive uma enorme vontade de conhecer a história desse livro, mas não gostava da antiga capa. Ela não me passava uma sensação de uma boa história!
Resolvi solicitar um exemplar depois que vi o filme e a editora divulgou a nova capa e também a mudança de título, inspirados na adaptação. Não gostei tanto do filme e isso me levou a querer conhecer a história que o livro realmente apresenta.
Marcia virou seu rosto em direção ao dele. Seus olhos, cheio de lágrimas, eram de um azul intenso como o de um maçarico.
– Odeio a mamãe – disse ela para Ig. – Quero botar fogo na cama dela com fósforos. Quero queimar ela toda.
Página 19

Ig Perrish não está em seu melhor momento... Um ano após o assassinato de Merrin, sua namorada, ele ainda é considerado o principal suspeito e é atormentado por isso. As coisas começam a mudar quando, sem nenhuma explicação aparente, ele começa a ganhar chifres. O que pareceria uma loucura para ele, se provou uma grande arma quando ele descobriu suas novas habilidades, vindas do estranho chifre nascendo em sua cabeça.
As pessoas começam a lhe contar segredos, dizer o que querem fazer e pedem permissão para fazer o que querem. Parece estranho e até difícil de acreditar! O padre, o médico, seus pais, seus amigos... Nenhum deles está livre dos poderes e da sensação de liberdade em poder revelar seus segredos. Mas Ig terá uma surpresa no momento em que Terry, seu irmão, começar a revelar um grande segredo. Ele sabe quem é o verdadeiro assassino de Merrin.
– Você se livrou daquele cabelo. – Fez uma pausa, depois acrescentou, como se não tivesse percebido antes: – E criou chifres. Meu Deus. O que você é?
– O que você acha? – perguntou Ig – O diabo vestido de azul.
Página 264

Conhecer a história do livro após ter visto o filme foi uma ótima experiência! Apesar de imaginar os atores quando um determinado personagem aparece no livro, isso não interferiu em nada.
O filme, como sempre, é diferente do livro, mesmo iniciando de formas parecidas, grande parte foi modificada pelo diretor.
O poder que Ig começa a demonstrar ainda é uma dúvida para ele, já que ele, e nem nós, consegue perceber até onde ele consegue chegar. Posso dizer que seus chifres não lhe deram apenas o dom de fazer com que as pessoas lhe revelassem sem segredos mais obscuros. Eles vão além e fazem com que ele consiga desvendar o que realmente aconteceu naquele dia.

Joe Hill dividiu o livro em várias partes e narrando acontecimentos atuais com coisas passadas. E isso é o que geralmente não me agrada muito nos livros. Vejo que esses acontecimentos sempre podem ser importantes para o entendimento do livro, outros nem tanto. E foi isso que tive a impressão em alguns momentos. Algumas passagens foram cansativas de ler e não achei tão importantes para estarem presentes no livro. Mesmo sem elas, dava pra entender perfeitamente a história.
Ig é um segredo. Não dá pra saber o que ele será capaz de fazer para alcançar seus objetivos, visto que algumas de suas atitudes surpreendem e me fez imaginar mil coisas quando ele descobriu quem era o verdadeiro assassino.
Ah... O assassino é revelado logo no início do livro, o autor não fez nenhum suspense quanto a isso. O grande segredo está em como  Ig irá reagir e o que ele fará com a informação. Será que ele o irá confrontar? Dizer que já sabe de tudo? Tentará matar o responsável? Essas são perguntas que vão surgindo assim que tudo é revelado!

O livro é capaz de despertar diversos sentimentos no leitor. Ri em algumas partes, fiquei apreensivo e até fiquei com medo. Sim, umas partes são bem estranhas e não me dei muito bem com elas. Hill fez um ótimo trabalho com o livro. O final não foi como imaginei e me fez sofrer um pouco com Ig e seu irmão. Mesmo ficando com várias perguntas sobre o que aconteceu, foi digno do livro.

Não é um livro demorado para ler, durante o dia, já que tenho sérios problemas com fontes pequenas quando leio a noite, possui alguns capítulos mais longos que os demais, mas nada que impossibilite aquela pausa que sempre surge durante a leitura.
Com o lançamento do filme, que deixa muito a desejar quando lemos o livro, a editora lançou essa nova edição do livro, que antes se chamava O Pacto. A capa chama bastante a atenção e foi uma boa mudança para o livro.




O exemplar para resenha foi uma cortesia da Editora Arqueiro





Sobre o Autor:
Paulo Cezar
Paulo Cezar é Administrador e Cofundador do blog, descobriu o fantástico mundo dos livros quando leu, pela primeira vez, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Além dos livros, também é apaixonado por filmes e séries.


13 comentários:

  1. o livro todo parece ser muito interessante, me pareceu que o autor equilibrou a história mesmo com algumas partes cansativas de se ler. mas o que me deixou curiosa foi como diabos (sem
    trocadilhos) esses chifres nasceram logo no cara que me parece não é o
    culpado e como ele vai se livrar disso?! não sei se o leria pra
    agora, não é muito o gênero que gosto, mas se aparecer oportunidade eu o leio sim.

    ResponderExcluir
  2. Só após a mudança da capa é que o livro despertou meu interesse em lê-lo. Ok, confesso, foi por ter na capa o Daniel Radcliffe. u.u haha Mas quando fui ler a sinopse me surpreendi e adicionei-o à minha (infinita) lista de desejados. E olha que não sou lá muito fã de livros do gênero, se bem que esse não me passou muito a sensação de ser algo tão assustador, apesar de ter dado medo em você em algumas partes (imagine em mim que sou medrosa rs). Mas fiquei tão curiosa pra saber quem é o assassino (mesmo não tendo suspense e ser logo revelado) e se ele vai se livrar desses chifres, enfim, o desenrolar da história, que vou superar o medo e tentar lê-lo o quanto antes.
    Pra mim, foi uma boa e má ideia mudar o título do livro. Sei lá, acho que já estava acostumada. Mas é compreensível a mudança devido ao filme.

    ResponderExcluir
  3. Giovanna Talamini3 de março de 2015 22:26

    A cada resenha me impressiono mais com esse livro. É algo sei lá, literalmente de outro mundo e gosto muito disso! haha'
    Pretendo ler em breve.
    Abs

    ResponderExcluir
  4. Assim, eu estava com vontade de ler essa obra, mas não 100%
    Não sei ainda sobre, tenho um pouco de medo desses livros. Mas fiquei feliz em saber que ele é melhor que o filme. Além de que, lendo agora ele parece ser melhor do que eu pensei. Essa coisa de poder olhar pra pessoa e ela responder seus maiores segredos parece ser interessante *-*


    Enfim bjbj

    ResponderExcluir
  5. Fernanda Menegazo Dos Santos5 de março de 2015 09:49

    Ainda nem vi o filme pois quero ler o livro antes... Mas confesso que foi a nova capa que me atraiu para a leitura... Adoro thrillers, e depois da sua resenha o livro passou a frente na minha lista de aquisições com certeza é o próximo que vou comprar...

    ResponderExcluir
  6. Ainda não assisti ao filme e nem li o livro, mas pretendo ler o livro antes de assistir o filme. Confesso que só me interessei pelo filme/livro por motivos de: Daniel Radcliffe. Mas isso mudou completamente depois dessa resenha. Fiquei muito interessado, principalmente pelo lance dos poderes qur fazem as pessoas confessarem seus segredos. Enfim, ótima resenha. Esse livro com certeza vai pra minha lista.

    ResponderExcluir
  7. eu assisti o filme mas ainda nao li o livro, até tenho ele aqui guardado, mas sei la to meio que com receio de ler, nunca li um livro de terror antes, mas pela resenha ele deve ser bom, obrigada!

    ResponderExcluir
  8. Não assisti ao filme, pois sempre prefiro ler antes de assistir. Geralmente eu gosto quando os autores fazem esse jogo passado x presente, mas acho que o autor precisa ter muito cuidado para não quebrar o ritmo da trama com passagens desnecessária. Pelo que entendi, algumas tiveram essa característica. Pelo menos no geral, o livro é muito bom.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  9. esse é um livro que eu necessito ler, eu assistir o filme assim que foi lançado e ame <3 Creio que o livro como o filme não deve dar medo e sim trazer um pouco de suspense pelo que irar acontecer com o Ig... Eu não gostei da alteração do nome, sempre prefiro que sejam o mais próximo do original e se a tradução não fica muito legal e só deixar o original mesmo que é bem diferente de amaldiçoado...

    ResponderExcluir
  10. Ainda não vi ao filmes pois estou esperando para ler o livro. Troquei o livro no skoob e estou esperando chegar *-*
    Quanto a resenha, quanto sentimento o livro despertou ein! Quero muito ler.

    ResponderExcluir
  11. O livro me cativou pela capa. E depois pela história. Me parece ser muito bem desenvolvida. A trama me conquistou. Adoro temas desse tipo, cheios de terror. Sua resenha me deixou empolgadíssima pra ler. Espero conseguir logo.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. To desejando muito esse livro so por causa da capa, ta linda e nao costumo gostar de capas com fotos de filmes mas o Daniel ta gatinho.
    Nao sabia da historia ate ler a resenha, o poder que surgiu com os chifres é incrivel mas espero que o autor tenha explicado o porque de o Ig ter ficado chifrudo assim do nada e como o irmao dele sabe quem é o assassino e deixa o Ig vivendo um inferno sendo acusado do crime por todos.

    ResponderExcluir
  13. Não me interesso muito por esse gênero, mas assim como em O Clube da Luta pretendo dar uma chance primeiro ao filme e se gostar ler o livro.

    ResponderExcluir