postado por Matheus em 13 julho 2015

Resenha | Sombra do Paraíso

Autores: David S. Goyer e Michael Cassutt
Editora: Aleph
Páginas: 456
Skoob 
Compre
Sinopse
No ano de 2016, cientistas descobrem um astro de natureza desconhecida se aproximando da Terra. Batizado de Keanu, ele logo se torna o destino de uma corrida espacial em pleno século 21. A NASA e a coalizão Rússia-Índia-Brasil passam a concorrer entre si, em uma missão de descobrimento científico temperada com intrigas políticas. Em meio a conflitos pessoais e familiares, o comandante norte-americano Zack Stewart e sua tripulação enfrentam uma perturbação na já complicada rotina no espaço. Keanu é muito mais do que aparenta, e logo os cosmonautas da Destiny-7 e da Brahma veem sua importante missão se transformar em uma aventura perigosa, sem precedentes na história da humanidade.


Resenha

O gênero ficção científica pode ser dividido em dois subgêneros. Tanto no cinema quanto na literatura há aquelas obras que apostam na precisão científica, caso dos recentes Interestelar e Gravidade; de outro lado encontram-se aquelas que se jogam de cabeça em mundos repletos de seres imaginários e histórias fantasiosas, caso clássico de Star Wars. Ambos os segmentos do gênero possuem um público fiel, que não perde a chance de viajar pelo universo através das páginas de um livro ou de uma tela de cinema. Para este público, Sombra do Paraíso pode dar-lhes uma satisfação grandiosa.


Logo nas primeiras páginas nos deparamos com Zack Stewart, comandante da Destiny-7, e sua tripulação: Tea Nowinski (sua namorada), Pogo Downey e Yvonne Hall. Todos já se encontram no espaço, prestes a pousar em Keanu, que nada mais é do que um NEO (Near-Earth Object), ou Objeto Próximo à Terra. A natureza de Keanu ainda é desconhecida, e por isso a missão deles era, de certa forma, arriscada. Contudo, eles não são os únicos interessados em Keanu; ao mesmo tempo em que a NASA mandou-os até lá, a Coalizão Rússia-Índia-Brasil também mandou uma espaçonave à destino de Keanu, a chamada Brahma.
Após realizarem o pouso, Zack e sua trupe percebem o quão “diferente” é a natureza de Keanu. Obviamente, o NEO já havia sido estudado por diversos astrônomos, mas o que eles encontraram ao chegar lá foi um ambiente completamente diferente do que imaginaram. A tripulação de Brahma também não demora a começar seus estudos, o que de certa forma cria certa tensão política entre a NASA e a Coalizão. Porém, à medida que a exploração de Keanu vai caminhando, todos os astronautas que se encontram lá começam a perceber que a tensão política é o menor de seus problemas; o que eles encontram lá pode ser muito mais poderoso que qualquer briga política.
Como qualquer ser humano, de tempos em tempos Megan questionava-se sobre sua própria morte. [...] A verdadeira questão sempre havia sido: Você gostaria de saber quando ela estivesse chegando?
Pág. 237

Os primeiros capítulos de Sombra do Paraíso, capítulos esses que descrevem o pouso em Keanu, demonstram um amplo aspecto científico; repleto de termos científicos e dados matemáticos, boa parte destes capítulos soam cansativos e um tanto didáticos. Isso não deixa de ser um problema, principalmente levando em consideração que todos esses dados se encontram logo no início do livro. Porém, o que nos espera mais a frente faz valer a pena estes tediosos, porém necessários, capítulos.
Os escritores David S. Goyer e Michael Cassutt demonstram uma grande facilidade em sua técnica de escrita. Deixando de lado uma linha cronológica linear, eles apostam em capítulos apresentados como flashbacks, capítulos esses que se encaixam perfeitamente no ritmo da história central. Além disso, a história em si se desenrola em dois cenários diferentes: de um lado as aventuras em Keanu, de outro a tensão presente no Centro Espacial Johnson, Centro que controla a missão da Destiny-7. A história transcorre de uma ótima forma, atingindo uma ótima sincronia entre os dois planos da história; ao final de cada capítulo algo fica em aberto, e somente no próximo capítulo ambientado naquele cenário é que descobrimos o “segredo” daquele capítulo anterior. Isso cria um círculo vicioso, onde somos levados a ler um capítulo e mais outro e mais outro e mais outro para então não perdermos nada. Desta forma, o livro não se mostra cansativo em muitos momentos, o que faz com que a leitura flua perfeitamente.
Além desta ótima técnica, os escritores capricharam na imprevisibilidade da história. Durante vários capítulos ficamos sem saber o que realmente é Keanu, podemos fazer as mais diversas especulações, fazendo nossa imaginação voar longe, mas demora a termos a certeza do que realmente é. Mesmo depois disso, as surpresas não param! Pelo contrário, elas pipocam a todo o momento, e nos momentos mais inesperados. Estas surpresas são o que dão à Sombra do Paraíso boa parte de sua emoção, já que grande parte destas surpresas são capazes de criar as emoções mais distintas no leitor.
Levando tudo isso em consideração, é difícil dizer se Sombra do Paraíso se trata de uma ficção-precisamente-científica ou de uma ficção-científica-imaginativa. Só obtemos a certeza disso no transcorrer da história.

Sombra do Paraíso também traz consigo um sentimentalismo humano grandioso. As relações entre os personagens são extremamente bem construídas, o que engrandece a qualidade do livro; existe inclusive uma passagem capaz de levar às lágrimas aqueles que se emocionaram com a famosa cena de Matthew McConaughey em Interestelar. De quebra, a editora Aleph entregou uma edição enxuta e bem formatada do livro, com um bom tamanho de fonte e boas margens, além de uma ótima capa. Tudo isso faz com que os pequenos erros de Sombra do Paraíso sejam praticamente esquecidos, fazendo assim com que ele se torne um livro de ficção grandioso.
Zack esperava, sinceramente, que depois disso a atenção de todos fosse voltada para a exploração deste corpo único e que as discussões girassem em torno de sua natureza e não de questões inúteis como sobre quem chegara lá primeiro.
Pág. 18

Avaliação:






Sobre o Autor:
Matheus
Matheus é Colaborador do blog, cinéfilo de carteirinha, leitor compulsivo e aficionado por música. Quando não está lendo, pode-se vê-lo re-assistindo Kill Bill ou então ouvindo música com os seus fones inseparáveis.


9 comentários:

  1. Eu não leria o livro, porque eu não gosto do gênero, então não ia funcionar comigo. No entanto, não posso deixar de reconhecer que o enredo parece bem elaborado. Conheço algumas pessoas que iam adorar a leitura, irei indicar. ;)

    ResponderExcluir
  2. Matheus!
    Uma boa ficção é tudo que um leitor fanático quer e se tem uma escrita diferenciada, que não nos enfadonha, ao contrário, dá dinamicidade e nos faz ficar tão entretidos a ponto de não querer largar a leitura, deve sr muito bom e já aguçou minha curiosidade e trouxe a vontade de ler.

    “É mais fácil obter o
    que se deseja com um sorriso do que à ponta da espada.”(William Shakespeare)

    cheirinhos

    Rudy

    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    Participe no nosso Top
    Comentarista!

    ResponderExcluir
  3. Esse é o tipo de livro que se eu tiver uma oportunidade, com certeza leio. Mas não é um dos meus gêneros preferidos. No entanto, percebi que a história é bem construída e gostei dos capítulos que trazem flashbacks, pois gosto desse elemento em uma narrativa. Outro ponto de que gostei foi do sentimentalismo não ter sido deixado de lado. Quem sabe um dia eu o leia. :)

    ResponderExcluir
  4. Realmente, um bom leitor não despreza uma boa ficção hahaha

    ResponderExcluir
  5. Possivelmente, não se arrependerá caso ler :D

    ResponderExcluir
  6. Espro ter a oportunidade de ler. Adoro o seu blog,mas eu vou é acabar falindo pois encontro varios livros aqui que quero ler.

    ResponderExcluir
  7. acredita que nunca li um livros de ficçao cientifica? pois é por isso fiquei interessa em ler esse já que parece ser bem bacana.

    ResponderExcluir
  8. Nossa o livro parece ser ótimo, curto muito ficção científica, essa resenha me deixou bastante interessada em ler esse livro.

    ResponderExcluir
  9. Thaís Dória de Góes5 de setembro de 2015 00:15

    Eu antes de ler a resenha estava pensando que o livro era chato, mas agora estou muito animada para ler essa historia.
    Tem livros de ficção cientifica que não tão chatos, mas esse parece ser ótimo. Vou ler e acredito que não vou me arrepender. :*

    ResponderExcluir