postado por Funs Hunter em 07 julho 2015

Resenha | Uma História de Amor e TOC

Autor: Corey Ann Haydu
Editora: Galera Record
Páginas: 320
Sinopse: Bea foi diagnosticada com transtorno obsessivo-compulsivo. De uns tempos pra cá, desenvolveu algumas manias que podem se tornar bem graves quando se trata de... garotos! Ela jura que está melhorando, que está tudo sob controle. Até começar a se apaixonar por Beck, um menino que também tem TOC. Enquanto ele lava as mãos oito vezes depois de beijá-la, ela persegue outro cara nos intervalos dos encontros. Mas eles sabem que são a única esperança um do outro. Afinal, se existem tantos casais complicados por aí, por que as coisas não dariam certo para um casal obsessivo-compulsivo? No fundo, esta é só mais uma história de amor... e TOC.

Terapeutas acham que tudo é mecanismo de defesa. Simplesmente estar pensando aqui, na minha cabeça, neste momento, é um mecanismo de defesa.
Página 34
Eu adoro um bom sick-lit, e "Uma história de Amor e Toc" foi bastante memorável. Nos encontramos com Bea e Beck, duas pessoas com TOC. Eles passam por diversas situações graças ao transtorno, afinal Bea persegue garotos (aleatórios ou não), não consegue passar de 30 km/h no carro (além de parar de instante em instante pra checar se bateu o carro ou atropelou alguém/algo), e sempre que fica ansiosa, belisca a perna e Beck tem compulsão por se lavar, por malhar e pelo número oito. Imagina a situação dessas duas pessoas juntas?! Então, é mais ou menos isso que eu passei lendo "Uma história de Amor e Toc".



Com personagens muito bem construídos e um desenvolvimento legal, "Uma história de Amor e Toc" me conquistou pelos diversos momentos engraçados que Bea e Beck proporcionavam, levando a cada situação ocasionada pelo transtorno. Mesmo tratando um momento muito difícil na vida dos dois, levando em consideração o que levam consigo, essa conseguiu tratar tudo de uma forma extremamente equilibrada.
Além do que, é fácil perceber mesmo com as características adquiridas no TOC, Bea e Beck são pessoas extremamente legais. É fácil gostar deles e perdoar algumas atitudes que consideraríamos, no âmbito normal, chatas. Eles levam o seu problema a um nível fofo, e dá vontade de ajudar eles e estar sempre por perto, pois são pessoas legais. Mesmo os personagens mais chatos são legais em algum momento, e nos faz entender o motivo de seus problemas iniciais.


O romance começa aos poucos, desde a primeira vez que eles se vêem. É algo natural, como acontece na maioria das pessoas, exceto a parte do TOC, claro. Eles entendem (na maior parte do tempo) o que estão passando, e tentam aos poucos não deixar a doença atrapalhar o relacionamento que é criado. E eu torci por eles, o tempo inteiro. Eles realmente parecem ajudar um ao outro no processo de cura.
Mas para mim (…) se apaixonar é o oposto. É a coisa mais forte que já fiz.
Página 274
Acredito que a única coisa que se pecou foi a rapidez que o final foi desenvolvido, acredito que depois de toda a carga emocional que fomos submetidos no desenvolvimento do livro merecíamos um final na velocidade correta e com um número maior de detalhamento. Enquanto o ápice da leitura decorreu na velocidade habitual e nos encheu de emoção e comoção, o final foi muito rápido e sem muito aprofundamento, nos deixando com aquele velho gostinho de quero mais.


Acredito que não existem elogios suficientes para a diagramação da Galera nesta obra. Gente, acredito que todo mundo sabe como eu amo essas capas assim, bem trabalhadas, bem pensadas. E essa é uma delas. A repetição de palavras (Beck) falando sobre não estalkear esse garoto (Bea) é simplesmente linda. E a forma como foi colocada deu um equilíbrio na capa, que ó... Super genial. Além disso, a obra vem em páginas amarelas com fonte SUPER agradável, então assim, essa é uma obra que merece ser elogiada muito. 
Quem procura uma obra onde há romance , mas que por mais que nome seja "uma história de AMOR ..." , o romance fique em segundo plano, e tenha uma abordagem muito mais psicológica e profunda, não deixando de ser uma leitura leve, esse é o livro.







Sobre a Autora: 
Tamiris
Tamiris é blogueira do Pausa Para Um Livro e depois de fã do Fun's Hunter, veio acrescentar um toque feminino no blog favorito. Lê tudo que o Paulo indica, mas também tem uma séria paixão por romances. Quando não está lendo, está cozinhando. Então não se assuste se ver um pouco de comida nas fotos.


5 comentários:

  1. Tamiris!

    Os sick lits tem tomado conta do mercado literário e acho bom porque traz doenças que merecem uma discussão apurada.

    Me parece que esse exemplar cumpre seu papel de trazer o conhecimento de como o TOC é difícil de se lidar.

    Boa resenha.

    “Lutar pelo amor é
    bom, mas alcançá-lo sem luta é melhor.”(William Shakespeare)

    cheirinhos

    Rudy

    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    Participe no nosso Top
    Comentarista!

    ResponderExcluir
  2. Esse livro parece ser tão <3. Assim que comecei a ler a resenha, pensei "Meu Deus, as situações desses dois daria uma boa comédia romântica" e por que não, né? Pfvr, façam adaptação! Haha Fiquei feliz ao saber que a editora caprichou na diagramação. Nada como ter um livro lindo e uma história envolvente na estante, né?

    ResponderExcluir
  3. oi, Tamiris! Tenho esse livro nos meus desejados desde que foi lançado. A capa me conquistou logo de cara e depois de tantas resenhas positivas tenho certeza de que o livro é muito bom. O que me chamou a atenção também foi o tema abordado, com esse teor psicológico, o que gosto muito. Só uma pena o final não ter sido melhor trabalhado. É um ponto negativo mesmo quando o final é super rápido. Dá uma sensação de que foi feito às pressas pra fechar o livro ou algo do tipo. hehe Mas ainda assim quero conferir essa história de amor e toc. ^^

    ResponderExcluir
  4. já tinha lido um livro que abordasse o tema e gostei muito de conhecer um pouco mais esse assunto, adorei a resenha e fiquei interessada em ler.

    ResponderExcluir
  5. Desde que foi lançado tenho visto varias resenhas maravilhosas sobre o livro, mas não importa o quão bem falam eu não consigo me interessar em quere le-lo. É uma pena que o final não tenha sido bem feito, e a capa eu não gostei muito

    ResponderExcluir