postado por Funs Hunter em 17 setembro 2015

Resenha | O Garoto Quase Atropelado


          
Por que tanto drama com algo cujo impacto todos sofreremos um dia? É natural. É incontrolável. Morrer é apenas um efeito colateral de se estar vivo.
Página 14
O Garoto Quase Atropelado (OGQA) é um livro bem diferente dos que estou acostumado a ler, mas quando a editora divulgou a novidade aos leitores eu fiquei muito curioso em relação ao que encontraria nas páginas desse livro. 
Não foi uma leitura fácil, mas não pense que isso é devido a ter achado o livro chato, pelo contrário, achei a história excelente, foram os acontecimentos que me colocavam para refletir e sempre estive dando pausas para pensar um pouco; são acontecimentos que estão, muitas vezes, fora das páginas dos livros, fatos que acontecem conosco, com algum familiar ou até mesmo com nossos amigos.

O próprio título do livro já nos apresenta o personagem da história que irá nos contar como é sua vida, tudo isso em forma de um diário. Após quase ter sido atropelado por Laís (cabelo de raposa), o garoto acaba sentindo um desejo de reencontrá-la e isso acaba mudando a sua rotina de garoto depressivo e sem amigos.
A mudança é rapidamente notada, principalmente quando em uma de suas saídas ele vê a cabelo de raposa entrando na lanchonete, em que estava apenas por acaso, com outras duas pessoas, a Natália (menina de cabelo roxo) e o Acácio (James Dean não tão bonito).
A partir deste momento, o garoto quase atropelado viverá os melhores ou será piores? dias de sua vida após o trágico acontecimento que o colocou nesse estado.
Nós nascemos para ser livres...
Para voar.
E não para ficarmos presos em gaiolas.
Página 35


Pensar que irá ler um romance entre jovens ao ver a capa ou até mesmo ler a sinopse é um total equívoco que podemos cometer. Vinícius Grossos vai além e nos presenteia com uma história completamente marcante e emocionante! Tratando de assuntos sérios, como bulimia e homofobia, ele consegue tornar a história em uma reflexão, para o que vários jovens estão passando e tem passado ao decorrer dos anos, sem que a leitura se torne cansativa ou desgastante.
Claro que esses não são os únicos assuntos tratados no livro, mas os outros, principalmente o acontecimento antes do Garoto conhecer a cabelo de raposa, eu considero um spoiler que não gostaria de ler em nenhum lugar.

Perceberam que em momento algum eu disse o nome do Garoto quase atropelado? É que eu também não sei e isso tornou a história ainda mais interessante. Toda a narrativa de acontecimentos foi escrita sem que a identidade dele fosse revelada ao leitor. Até me acostumei a chamá-lo de "Garoto quase atropelado" enquanto fazia as anotações para esta resenha.

A amizade que o autor retrata entre os personagens é daquelas em que você confiaria o seu maior segredo, fato que realmente acontece. Mesmo com o pouco tempo de relacionamento que eles possuem a ligação entre eles é realmente de melhores amigos.

Outro ponto interessante do livro é a utilização de músicas. O autor as utiliza como referência em diversas passagens, até uma playlist pode ser encontrada em uma das páginas. Muitas delas eu nem tinha ouvido falar e é interessante como cada trecho utilizado se relaciona e transforma a história. Pena que a única que eu gostava, e praticamente conhecia, da lista está com o título errado no livro Sia perdoa o Vinícius! rsrs.

A edição está linda! Começando pela capa escolhida pela Faro Editorial, que nos faz relembrar a todo instante certo trecho da história. Por ser escrito com um diário, os capítulos receberam o título do dia e mês que foram escritos pelo Garoto quase atropelado. Várias imagens foram utilizadas em um momento da história e outras nos capítulos.

A história surpreende e flui de forma que você nem percebe, apresenta o cotidiano e problemas que qualquer pessoa poderá enfrentar! Um dos meus livros favoritos de 2015, sem sombra de dúvidas!


Seja a bolinha dentro do triângulo!



O vídeo abaixo é algo proposto no livro, não vou dizer o motivo para fazer isso, você terá que ler a história para descobrir.
Um vídeo publicado por Paulo Cezar (@funshunter) em




Cortesia da editora






E adivinhe qual é o prêmio do nosso Top Comentarista de setembro...





Sobre o Autor:
Paulo Cezar
Paulo Cezar é Administrador e Cofundador do blog, descobriu o fantástico mundo dos livros quando leu, pela primeira vez, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Além dos livros, também é apaixonado por filmes e séries.


7 comentários:

  1. Alessandra Fernandes17 de setembro de 2015 21:36

    Resenha maravilhosa e com toda a divulgação em cima desse livro eu estou muito curiosa para o ler. O livro parece conter uma história linda de superação!! Acho super válido quando os autores abordam temas que nos trazem algo para ser aprendido e respeitado!!
    Espero ter a oportunidade de ler em breve.
    Abçs!!

    ResponderExcluir
  2. Paulo!
    Achei bem diferente os protagonistas não terem nomes.
    História de amizade e aprendizado, sempre me chamam atenção.
    Quero poder acompanhar a aventura dessa galera.

    “O pior dos problemas da gente é que ninguém tem nada com isso.”(Mario
    Quintana)

    cheirinhos

    Rudy

    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  3. Recomendo muito este livro Rudynalva!
    É só de um personagem que o autor não revela o nome, mas isso não interfere em nada na leitura e no entendimento do que está acontecendo.

    ResponderExcluir
  4. to apaixonada pela capa desse livro e adorei a sinopse.
    fiquei feliz em saber q a história é contada em forma de diário, pois gosto bastante de livros nesse estilo.
    não imaginava que o livro seria sobre romance, mas tbm não imaginava que trataria de temas como bulimia e homofobia. temas bem interessantes. principalmente para mim q tenho interesse no assunto e gosto de ter opinião formada sobre o assunto. gosto de ver a opinião/visão de outras pessoas.
    como assim? hhahaha um livro que o personagem principal não tem nome? esse livro vai ficando mais interessante a cada parágrafo da resenha.
    gostei de saber da playlist! me lembra muito as vantagens de ser invisivel e as músicas dão uma "outra cara" para a história.
    fico feliz q sua experiencia com o livro tenha sido boa! se eu ganhá-lo no top comentarista, espero ter uma experiencia tao boa quanto a sua. senão, vou adquirir meu exemplar assim q der.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Thiago Roza Ferreira20 de setembro de 2015 02:06

    Eu já to querendo ler esse livro a algum tempo. A história me parece muito boa, fala sobre amizade e companheirismo além do fato de ter sido escrito como diário, faz com que o leitor esteja vendo a história ali, do lado do garoto quase atropelado. A capa do livro é show e a história segue no mesmo sentido, Quero muito ler esse livro !

    ResponderExcluir
  6. Que amor essa capa de O Garoto Quase Atropelado. Eu não imaginava nada sobre este livro, e a resenha pode me esclarecer tudo. Os pontos que me deixaram mais felizes foi a narrativa em forma de diário, que são poucos os livros que li desta forma, outro ponto é a amizade retratada e, por fim, a presença de músicas ♥♥♥. Gostei bastante!

    ResponderExcluir
  7. Há havia lido outras resenhas sobre o livro e já havia ficado bastante intrigada em relação à eles devido a sua temática, gosto de livros com temas sempre bem variados e este parece ser aquele tipo de leitura que nos "prende" por sua delicadeza e ao mesmo tempo pelo assunto bem "pesado". Sem dúvida quero conferir e saber o que acontece com O Garoto Quase Atropelado

    ResponderExcluir