postado por Matheus em 01 setembro 2015

Resenha | Konrad - O Menino da Lata


     


Konrad – O Menino da Lata é um livro inusitado. Lançado em 1975 na Áustria, terra natal da escritora Christine Nöstlinger, o livro nunca se transformou num sucesso; tanto é que esta é a primeira edição do livro no Brasil. Com toda certeza isto não se deve à falta de qualidade, algo que este agradabilíssimo livro possui imensamente.

Dona Bartolotti é uma jovem senhora de idade desconhecida. Sua fama na cidade não é das melhores; sua excentricidade em se vestir e se maquiar chama a atenção de todos. E isso não é tudo! Seu estilo de vida também é muito inusitado: sem horários pra refeições, sem regras em sua casa, sem organização nenhuma. Tudo piora devido à sua mania de encomendar tudo que vê pela frente; caso ela encontre um cupom de desconto, seja do que for, ela utiliza-o. E é assim, que Dona Bartolotti recebe Konrad.
A pequena criança veio realmente numa lata, que por sua vez estava numa caixa pesada. Ao receber a grandiosa encomenda, Dona Bartolotti se espanta, pois não se lembrava daquilo; quando abre a lata então ela quase tem um ataque: dentro da lata está um menino! Mesmo após vasculhar sua mente atrás do dia em que encomendou aquilo, ela não se recorda de nada, absolutamente nada. De toda forma, ela começa a cuidar de Konrad; no momento, era o máximo que podia fazer. Porém, aos poucos Dona Bartolotti vai se apegando a doce e inteligente criança, e ela tem que aprender a ser uma boa mãe ao mesmo tempo em que o menino “fabricado” vai se adaptando ao mundo.
-Muita coisa não foi legal - respondeu Konrad. - Mas muita coisa foi maravilhosa!- A vida é assim na maioria das vezes, meu filho - disse dona Bartolotti [...]
Pág. 101

Para um livro infanto-juvenil, Konrad – O Menino da Lata possui uma história bem complexa. Por mais que a trama soe simples e despretensiosa, é possível encontrar nas entrelinhas do livro inúmeras reflexões sobre temas bem sérios, como a questão da maternidade na adoção e o bullying, que na época nem ao menos era conhecido desta forma. Tudo isso pode passar despercebido aos olhos de uma criança que se empolga com o divertido desenrolar da história, mas alguém mais velho provavelmente encontrará estas sutis questões que o livro levanta.
Se os mais grandinhos se sentem agraciados com estas questões, as crianças provavelmente adorarão a despretensão que percorre todo o livro. Em momento algum a história adota uma postura rígida e rigorosa, com uma mera descrição dos fatos; Nöstlinger sempre conduz a história descontraidamente, apresentando uma narração zombeteira e muitas vezes engraçada. Neste quesito, Christine se sai muito bem, pois consegue criar um livro engraçado e politicamente incorreto para crianças sem precisar forçar isso. Tudo é naturalmente mostrado, e isso é realmente muito bom.
Assim como todo livro infanto-juvenil que se preze, Konrad – O Menino da Lata está repleto de ilustrações. Volta e meia nos deparamos com um bela página preenchida com uma ilustração de certa passagem. O trabalho de Annete Swoboda é um trabalho simples, quase comum, mas ainda assim cativante; além do mais, é muito interessante ver a forma com que ela representa personagens repletos de características, como a inusitada Dona Bartolotti.


A Editora Biruta fez uma ótima edição deste livro. A começar pela capa simplória, mas cativante, o interior do livro também mostra um ótimo acabamento, com um ótimo tamanho da fonte e com ilustrações sempre muito bem inseridas. Ou seja, tudo conspira a uma leitura agradável e rápida, capaz de agradar a todos por ser ao mesmo tempo um livro descontraído e repleto de reflexões.
- Porque as pessoas são terrivelmente monótonas! - exclamou dona Bartolotti - Porque não têm um pingo de imaginação, sempre querem a mesma coisa e não se atrevem a fazer nada diferente!
Pág. 35

Avaliação:








Sobre o Autor:
Matheus
Matheus é Colaborador do blog, cinéfilo de carteirinha, leitor compulsivo e aficionado por música. Quando não está lendo, pode-se vê-lo re-assistindo Kill Bill ou então ouvindo música com os seus fones inseparáveis.


10 comentários:

  1. Oi, Matheus. Me interessei bastante na estória protagonizada pelo personagem Konrad. Fiquei curioso na maníaca das compras que é a senhora de idade. Todos estes aspectos devem construir uma trama excelente. Livros infanto-juvenis complexos são muito bons para a reflexão, tanto dos jovens como dos mais velhos.

    ResponderExcluir
  2. Alessandra Fernandes1 de setembro de 2015 20:05

    Bem, faz bastante tempo que não leio um livro infanto-juvenil, mas gosto demais, pois foi através deles que começou esse meu amor pela leitura.
    Nunca vi esse livro antes, mas tenho certeza de que amaria, pois já fui conquistada por Dona Bartolotti e suas manias inusitadas ;) E claro, curiosa sobre esse menino que chegou em uma lata, como pode isso?
    Realmente, a capa é bem simples e ao mesmo tempo cativante <3
    Se um dia eu tiver a sorte que você teve de encontrar esse livro, não vou pensar duas vezes para comprar e sair correndo para ler.
    Abçs Matheus!!

    ResponderExcluir
  3. Matheus!
    Já me encantei com o enredo despretencioso, porém bem sério.
    A protagonista que compra tudo, affffffeeee!! Além do gasto a casa dela deve ser daquelas abarrotadas de coisas desnecessárias...kkk
    E um garotinho dentro de uma lata é realmente hilário.
    Gostei demais do livro.

    “Pedras no caminho? Eu
    guardo todas. Um dia vou construir um castelo.”(Nemo Nox)

    cheirinhos

    Rudy

    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    Participem do nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  4. Daniel Olhos Água2 de setembro de 2015 18:59

    Nossa, que livro criativo! Apesar de ser infantil me interessou bastante, o autor parece passar valores e ideias inesquecíveis. Adoro a resenha ^^
    Abraços :)

    ResponderExcluir
  5. Oi Matheus
    Chega a ser hilário ler a sinopse do livro. Quem conseguiria colocar um gurizinho dentro de uma lata de conserva?????
    Lendo a sua resenha fiquei c/ vontade de ler essa obra. Uma pena ter demorado tanto tempo para chegar aqui pelas terras brasileiras. Quantos as questões sérias que o livro aborda, mas que são despercebidas pelas crianças eu gostei muito de saber disso. Curto bastante livros infantis que tragam mensagens e é uma boa p/ as crianças se acostumarem e depois entenderem o significado de tudo.
    Não sei se devo gostar da Dona Bartolotti, mas que curti essa mania dela de comprar tudo quando tem um cupom de desconto isso eu curti. Kkk
    Espero que ela se torne a mãe do Konrad. Que os caras da fábrica nem ousem procurá-lo.
    Enfim, gostei de saber da existência desse livro.
    Parabéns pela resenha, Matheus.
    Abraços

    http://peregrinodanoite.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Thiago Roza Ferreira9 de setembro de 2015 15:58

    Li algumas vezes a parte do menino numa lata, achei a historia muito diferente.
    Gosto de livros infanto juvenis que tem reflexões sobre a vida. Me pareceu uma leitura leve e descontraída, acho que leria esse livro sem problemas.

    ResponderExcluir
  7. Acho que boa parte dos leitores aficionados começaram tudo isso com livros infanto-juvenis. E é por isso que nunca desprezo um bom livro do gênero <3

    ResponderExcluir
  8. Eu também achei muito estranha esta premissa do livro, mas a escritora é tão boa que faz isso parecer normal! hahaha


    E obrigado!! :D

    ResponderExcluir
  9. como assim a pessoa recebe um filho pelo correio? HAHAHAHAHAHA que história doidaaa que dá vontade de ler!!
    achei ótimo que a autora abordou temas sociais no livro. educando as crianças pela literatura. <3
    a ilustração que você disponibilizou no post dá muito bem para ver o capricho que o livro contém em seu interior.
    admito q inicialmente fiquei encantada pela capa, mas agora fiquei encantada também pepla história. q confusão! ahahahaha

    beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Parece ser aquela "maluca" mas que nos chama a atenção pela simplicidade e por a gente poder "soltar a imaginação" com o livro. Já havia lido outras resenhas sobre este livro e já havia ficado encantada com ele. Creio que seja um livro para crianças e adultos, ainda mais com estas belas ilustrações.

    ResponderExcluir