postado por Matheus em 31 outubro 2015

[Clássicos do terror] Review | A Bruxa de Blair (1999)

Direção: Daniel Myrick; Eduardo Sanchez
Duração: 1h 18min
Lançamento: 1999
Gênero: Terror


Sinopse 

Três estudantes de cinema embrenham-se nas matas do estado de Maryland para fazer um documentário sobre a lenda da bruxa de Blair e desaparecem misteriosamente. Um ano depois, uma sacola cheia de rolos de filmes e fitas de vídeo encontrada na mata. As imagens registradas pelo trio dão algumas pistas sobre seu macabro destino.








O estilo found footage ultimamente tem se tornado muito difundido dentro do gênero de terror. Filmes como Atividade Paranormal e [REC] apostaram nesse estilo “alternativo” e “caseiro” de filmagem e acertaram em cheio, visto a ótima bilheteria do primeiro e a aclamação por parte da crítica do segundo. Mas tudo isso começou lá na década de 90, com A Bluxa de Blair, filme responsável por trazer o found footage aos olhos do grande público.


A história é simples. Três amigos estudantes de cinema decidem adentrar numa floresta junto com uma câmera para documentar a lenda de uma bruxa que vive lá. Misteriosamente eles desaparecem, e um ano depois são encontrados os rolos da câmera utilizada por eles, o que dá pistas sobre o destino dos amigos.

E a história é simplesmente essa! Não há reviravoltas, não há complexidade nos personagens, não há reflexões subliminares no roteiro... O filme aposta somente num roteiro simples, e acerta em cheio nesse sentido!
Isso porque em momento algum eles tentam dar destaque à história. Ela é um mero complemento do maior destaque do filme, que é justamente sua direção. Por mais que não seja o primeiro filme de found footage, é inegável que Daniel Myrick e Eduardo Sánchez reinventaram o gênero, nos mostrando uma história aterrorizadora sem mostrar em momento algum o motivo de todo terror. É claro que são inúmeros os filmes de terror que apostam nisso - não mostrar o motivo do terror a todo o momento - mas A Bruxa de Blair é um dos filmes em que esta técnica mais caiu bem.
É impossível imaginar como seria este filme se a bruxa em si aparecesse em cena. Provavelmente ele perderia muito do seu terror caso mostrasse-a ao público. Isso porque é justamente o fato de ela nunca ser apresentada que traz o terror ao público; ficamos imaginando ela a todo o momento, pensando em que canto da floresta ela está escondida. Ou seja, A Bruxa de Blair é um filme que assusta muito mais pela imaginação do público do que pelo que é mostrado em cena.
Para trazer certo realismo num filme desse tipo são necessárias boas atuações que consigam convencer o espectador sobre o que ele está vendo. Nesse sentido, o filme se sai relativamente bem. Ambos os três atores estão bons em seus papéis; mas é visível que os personagens não possuem nenhuma complexidade, o que faz com que não possamos esperar nenhuma grandiosa atuação.


O final extremamente tenso e assustador do filme aumenta ainda mais a qualidade dele. Com isso, o filme conseguiu seu espaço entre os clássicos do gênero, conseguindo inspirar inúmeros filmes que vieram depois. Contudo, A Bruxa de Blair continua sendo único.

AVALIAÇÃO






Sobre o Autor:
Matheus
Matheus é Colaborador do blog, cinéfilo de carteirinha, leitor compulsivo e aficionado por música. Quando não está lendo, pode-se vê-lo re-assistindo Kill Bill ou então ouvindo música com os seus fones inseparáveis.


8 comentários:

  1. Matheus, eu tenho muita curiosidade de assistir a um filme com este estilo mais caseiro, como o found footage, creio que A Bruxa de Blair seria um belo pontapé inicial. Eu fiquei bem curioso sobre a direção deixar o filme com apenas o suspense, sem revelar a bruxa e mais detalhes do desaparecimento. Com certeza o psicológico dos telespectadores foram à mil.

    ResponderExcluir
  2. Vou ser sincera que não gostei mto desse filme, mas vou me explicar, não gosto mto de filmes que me deixem em agonia juntamente com os personagens, uma coisa que é o ponto positivo do filme, mas que no meu caso é negativo, fiquei bem apreensiva o filme todo para ver alguma coisa, mas nada, não sei se tbm não gostei pelo fato de ter assistido o 2 antem desse, não sei, é um bom filme para quem gosta de ficar com os nervos a flor da pele!

    ResponderExcluir
  3. Bruxa de Blair foi um dos filmes que me assustaram bastante, com vc citou não mostra em nenhum momento a Bruxa ou o que está apavorando os estudantes. Não gosto desse tipo de filme que tem o balanço da camera. Spoiler: nesse filme ficava me perguntando porque o rapaz jogou o mapa? Por que? Pena que não passa de ficção.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  4. Recentemente, meu professor de Inglês falou que iria passar esse filme pra gente, mas até então eu não sabia a história do filme. Lendo sua resenha, e vendo detalhadamente sobre do que a história se trata, eu fiquei com muita vontade de assisti-lo! A imaginação do telespectador parece ir á mil com esse filme. Espero assisti-lo na próxima aula de Inglês!

    ResponderExcluir
  5. Esse filme é um dos meus favoritos no gênero, porque parece muito real, com imagens feita pelos personagens, não tem como não acreditar que esses 3 jovens viveram isso mesmo.
    Bjocas

    ResponderExcluir
  6. A Bruxa de Blair, como tu mesmo disse, não é um filme que possua grandes atuações ou um enredo maravilhosamente inusitado. Mas creio que seja essa simplicidade que tenha tornado-o tão aterrorizante, visto que ela nos dá uma visão realista da lenda e de tudo que ocorre no longa, além disso a imaginação do espectador é um aspecto decisivo na construção da atmosfera do filme.

    ResponderExcluir
  7. Siiiim!!! Acho que todo mundo fica super agoniados junto com os personagens! E é isso que eu amo no filme hahahaha


    Só vejo críticas ao segundo. É ruim mesmo? haha

    ResponderExcluir
  8. Você sabia que o diretor do filme fez os atores acreditarem que a lenda realmente existia? hahaha
    E pior! À medida que as gravações iam seguindo os diretores faziam menos e menos contato com os atores. Ou seja, eles estavam realmente jogados lá na mata! HAHAHAHAHA

    ResponderExcluir