postado por Matheus em 24 outubro 2015

[Clássicos do Terror] Review | Psicose (1960)

Direção: Alfred Hitchcock
Duração: 1h 49min
Lançamento: 1960
Gênero: Terror, Suspense


Sinopse

Marion Crane (Janet Leigh) é uma secretária que rouba 40 mil dólares da imobiliária onde trabalha para se casar e começar uma nova vida. Durante a fuga à carro, ela enfrenta uma forte tempestade, erra o caminho e chega em um velho hotel. O estabelecimento é administrado por um sujeito atencioso chamado Norman Bates (Anthony Perkins), que nutre um forte respeito e temor por sua mãe. Marion decide passar a noite no local, sem saber o perigo que a cerca.





Existem filmes que, mesmo não sendo assistidos por boa parte da população, são reconhecidos por todos. O que se deve a alguma determinada cena, a alguma reviravolta no final ou a algum personagem marcante. Psicose é um desses filmes.  Porém, seu reconhecimento se deve a muito mais do que tudo aquilo citado acima.=

Marion Crane é uma mulher comum. Trabalha numa imobiliária e namora um homem casado, com quem tem o sonho de fugir após roubar 40 mil dólares do seu local de trabalho. No fim das contas, ela realmente consegue realizar o roubo, fugindo da cidade sem ter um destino certo. Após passar boa parte da noite dirigindo e enfrentando uma tempestade, ela resolve parar num hotel de beira de estrada pra passar a noite; é lá que conhece Norman Bates, o bonzinho gerente.
Tudo segue bem, até o momento em que Marion decide tomar um banho e é morta, numa das cenas mais marcantes de toda a história do cinema. Isso ocorre antes da metade do filme, o que choca o público de forma incrível. Mas a história está só começando...
Após notar o sumiço da irmã, Lila e seu namorado Sam vão à busca de Marion, seguindo seus rastros através de pistas encontradas pelos dois. Aos poucos eles vão chegando perto do desfecho da história de Marion, mas ninguém está preparado para o que vão encontrar. Nem mesmo o público.

O impacto de Psicose foi grande durante seu lançamento; em diversas salas de cinema o público chegava a gritar (literalmente) na famosa cena do chuveiro, mostrando que a simplicidade de um terror protagonizado por pessoas “normais” podia ser mais assustadora que qualquer filme com monstros. Créditos ao diretor Alfred Hitchcock!
Hitchcock possuía uma carreira consolidada no cinema, sempre chamando a atenção com seus suspenses tensos e extremamente bem desenvolvidos. Ao lançar algo tão diferenciado com Psycho (no original), Hitchcock recebeu críticas mornas. Talvez os críticos não estivessem preparados para verem o que viram... De toda forma, o tempo passou e aos poucos todos conseguiram notar a genialidade de Hitchcock, que inovou o gênero de horror como poucos diretores conseguiram.
Mas é claro que em uma obra tão genial o crédito não é somente do diretor. O roteirista Joseph Stefano desenvolveu o roteiro da melhor forma possível, visto a base simples que ele teve no livro homônimo de Robert Bloch. Isso porque a história é realmente simples, sem nenhuma grande complexidade; mas mesmo assim Stefano conseguiu construir uma tensão onipresente que prende o espectador na poltrona, deixando-o ávido em saber o que acontecerá em cada minuto. Obviamente, não podemos deixar de citar a magnificência do desfecho do filme, tornando-o um dos finais mais eletrizantes do gênero de suspense.
Mesmo com as críticas mornas, o filme conseguiu abocanhar algumas indicações a prêmios importantes, como o Oscar, onde Janet Leigh conseguiu uma indicação a atriz coadjuvante. Algo extremamente merecido! Sua atuação simples como a mocinha do bem que faz algo errado e acaba pagando por seus erros é extremamente convincente; isso sem contar na cena do chuveiro, onde ela dá um show de atuação. Mas o elenco possui
um nome que se destaca ainda mais que ela, e esse nome é Anthony Perkins. A construção que ele faz de seu personagem Norman Bates é genial, dando aos poucos pistas de sua verdadeira natureza. As cenas finais, onde tudo o que vemos é sua face, é extremamente apavorante.

Tudo mais que diz respeito à Psicose é digno da genialidade do filme como um todo. A trilha-sonora marcante de Bernard Herrmann ecoa na mente do público de forma assustadora; a fotografia de John L. Russell acerta em cheio ao filmar cenas tensas de forma completamente diferenciada; a direção de arte em preto e branco é de uma beleza simplória estonteante. Concluindo, Psicose é um filme atemporal, assustador e genialmente construído; uma obra única jamais igualada no cinema.

AVALIAÇÃO







Sobre o Autor:
Matheus
Matheus é Colaborador do blog, cinéfilo de carteirinha, leitor compulsivo e aficionado por música. Quando não está lendo, pode-se vê-lo re-assistindo Kill Bill ou então ouvindo música com os seus fones inseparáveis.


15 comentários:

  1. Oi, Matheus! Quem não se lembra da famosa cena do grito na banheira acompanhado a facadas?! Risos. Sempre conheci esta famosa cena do filme Psicose, mas nunca tive o interesse de saber ou conhecer a história do mesmo. Fiquei surpreso com a relação comum que os personagens apresenta, rotina norma, trabalham, vão para casa... Enfim, o pouco que vi do filme pude concluir uma coisa: ótima atuação!

    ResponderExcluir
  2. Uau, esse me parece um suspense de arrepiar os pelinhos da nunca, vou assistir assim que me aparecer um tempinho, já tinha visto falar, mas o que me despertou meu maior interesse foi sua resenhas. gostei de saber que apesar da época que foi lançada o diretor conseguiu fazer um espetáculo de filme.

    ResponderExcluir
  3. Que incrível! Apesar de ainda não ter a oportunidade de assistir Psicose, sei que ele foi um filme que marcou bastante! Eu já vi essa cena do chuveiro, e é bem legal hahahha Tenho muita vontade de ler Psicose, lançado pela Darkside, mas ainda não tive a oportunidade de lê-lo. :/

    ResponderExcluir
  4. Nunca vi o filme, poxa eu como fã do terror e do suspense fico ate envergonhado...hahahaha
    Fiquei mega curioso pra saber esse final eletrizante, vou providenciar a pipoca, o suco, me aconchegar no sofá e ver esse clássico *-*

    ResponderExcluir
  5. Bom o que posso dizer desse filme? OMG!!! ELE É MTO BOMMMMM.. rsrsr nossa eu amo os filmes do Hitchcock, mas esse é meu favorito, já o vi mais de mil vezes, tenho em dvd, tenho gravado na sky, é um filme que não me canso nunca, embora ele não tenha ganhado nenhum oscar merecia, pois é o melhor!

    ResponderExcluir
  6. Matheus que resenha! Adorei!! Me enquadro numa dessas pessoas que vc citou no começo, conheço a famosa cena, sei que de filme é, mas nunca assisti o filme na íntegra. Já assisti alguns do Hitchcock: janela indiscreta, um pedaço dos Pássaros e adoro. Quero ver o filme legendado né?! e ler o livro também.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  7. Matheus!
    Realmente um clássico que jamais deve ser esquecido e nem vai, né?
    Agora com o relançamento do livro e a série do Norman adolescente, mostrando como surgiu tudo, difícil não se agradar.

    “Tudo é precioso para aquele que foi, por muito tempo, privado de tudo.”(Friedrich
    Nietzsche)

    cheirinhos

    Rudy

    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  8. Psicose foi um dos primeiros filmes que meu pai, apaixonado pelo gênero terror, me apresentou, quando eu era ainda nova. Confesso que fiquei alguns dias sem dormir, mas à medida que fui crescendo pude perceber a genialidade que tu muito bem menciona na crítica. Personagens comuns, com defeitos e qualidade e vidas normais e reais, que muito se aproximam de nós, protagonizando uma história horripilante do início ao fim foi realmente uma sacada de mestre! E o Anthony, bom, não tem o que dizer a não ser genial!

    ResponderExcluir
  9. É um filme que todos conhecem mas que nem todos assistiram. Super concordo. Não assisti e nem imaginava que era sobre uma mulher que houvesse roubado dinheiro. Nessa cena em questão, imaginava que ela estava em casa e teria sido assassinada sem um motivo específico. Adorei o fato de tornar os filmes clássicos em evidência novamente.


    beijo

    ResponderExcluir
  10. Como bom fã do filme, também morro de vontade de ler o livro!! Quem sabe em breve! :D

    ResponderExcluir
  11. Eu também adoro os filmes do Hitchcock, mas confesso que não sei dizer se meu favorito é esse ou Os Pássaros hahaha

    ResponderExcluir
  12. Se você gosta de outros filmes do Hitchcock, provavelmente vai gostar muito de Psicose também!

    ResponderExcluir
  13. Acho realmente difícil Psicose ser esquecido! Sobre a série, quero começar a vê-la o quanto antes! Só ouço elogios.

    ResponderExcluir
  14. Que sorte a sua de ter um pai assim! HAHAHAHA
    Enfim, eu acho esse filme genial por essa sacada de colocar pessoas normais numa história aterrorizante. E o Anthony nem necessita de comentários. ♥

    ResponderExcluir
  15. E gostei! Obrigada pela oportunidade de poder conferir essa obra ímpar do Hitch. Confesso que sabia o final, por ter lido o livro do Robert, mas não afetou na sua grandiosidade. Sim existem algumas diferenças com o livro, sou daquelas que preferem o livro, mas não dispensam o filminho também. Mas são diferenças pontuais. Anthony está muito bem como Norman. Filme muito bom! Um beijo

    ResponderExcluir