postado por Matheus em 22 janeiro 2016

Review | Star Wars - O Despertar da Força

Direção: J. J. Abrams
Duração: 2h 15min
Lançamento: 2015
Gênero: Ficção científica, Aventura
Sinopse
Décadas após a queda de Darth Vader e do Império, surge uma nova ameaça: a Primeira Ordem, uma organização sombria que busca minar o poder da República e que tem Kylo Ren (Adam Driver), o General Hux (Domhnall Gleeson) e o Líder Supremo Snoke (Andy Serkis) como principais expoentes. Eles conseguem capturar Poe Dameron (Oscar Isaac), um dos principais pilotos da Resistência, que antes de ser preso envia através do pequeno robô BB-8 o mapa de onde vive o mitológico Luke Skywalker (Mark Hamill). Ao fugir pelo deserto, BB-8 encontra a jovem Rey (Daisy Ridley), que vive sozinha catando destroços de naves antigas. Paralelamente, Poe recebe a ajuda de Finn (John Boyega), um stormtrooper que decide abandonar o posto repentinamente. Juntos, eles escapam do domínio da Primeira Ordem.

Reiniciar a clássica série Star Wars no cinema era uma tarefa não tão complicada, mas que exigia uma boa equipe. Prova disso é que a segunda trilogia, mesmo tendo uma ótima história, não agradou a muitos com a direção morna de George Lucas e os desempenhos esquecíveis de boa parte do elenco. Todos os nomes envolvidos em O Despertar da Força indicavam que o filme tinha tudo para ser incrível. Não deu outra, o filme foi aclamado pela crítica e já figura como a terceira maior bilheteria da história.

FN-2187, ou simplesmente Finn (John Boyega), é um stormtrooper que não concorda com as atitudes da Primeira Ordem e por isso decide fugir da nave onde se encontra com outros stormtroopers; junto com ele também foge Poe Dameron (Oscar Isaac), um piloto de a-wing da Resistência da República.
Rey (Daisy Ridley) é uma coletora de lixo do planeta Jakku. Num de seus dias normais de trabalho ela encontra BB-8, o simpático androide alaranjado, mal sabendo tudo o que aquele simples androide irá mudar em sua vida.
O androide pertence a Poe, e não demora a Finn encontrar Rey e lhe contar porque toda a Primeira Ordem está atrás do androide: com ele está um mapa onde mostra onde se encontra Luke Skywalker (Mark Hamill), já sumido há anos, sendo sempre procurado pela Primeira Ordem. A partir daí, Rey e Finn partem a um caminho sem volta para levar BB-8 para a sede da Resistência, um caminho repleto de perigos e descobertas para ambos.

Antes de tudo, é bom destacar a coragem dos produtores ao escolherem os protagonistas do filme; afinal, escalar um homem negro e uma mulher para protagonizar um filme de aventura não é algo comum. Mas O Despertar da Força mostra que eles são protagonistas comuns como quaisquer outros. E tem mais, Rey é mostrada não como uma mulher indefesa, mas sim como uma guerreira forte e destemida. Em ano de Mad Max: Estrada da Fúria e sua Imperatriz Furiosa, Rey se juntou ao grupo de mulheres retratadas fortemente em filmes de ação.
J. J. Abrams, já acostumado ao universo da ficção científica ao dirigir os dois últimos - e ótimos - filmes da série Star Trek, dirige O Despertar da Força com uma habilidade espantosa. Muitos dos elementos que popularizam a primeira trilogia no cinema estão aqui; batalhas espaciais repletas de naves incríveis e explosões, duelos cara-a-cara com direito a sabres de luz e, é claro, cenas extremamente tensas envolvendo dramas familiares. Nunca o renascimento de uma saga se mostrou tão à vontade para homenagear os filmes anteriores.
Todos esses elementos citados acima e muitos outros tornaram o filme um verdadeiro turbilhão de emoções. Não é preciso ser nenhum grande fã de Star Wars para se arrepiar logo no início do filme, com a abertura clássica da saga; todas as batalhas espaciais e as lutas também transmitem uma emoção única, capaz de deixar qualquer um extasiado com os efeitos especiais fantásticos; destaque para o ótimo uso do 3D nas cenas de batalhas espaciais. Mas as maiores emoções do filme estão guardadas nas incríveis cenas envolvendo os dramas familiares do filme; uma delas exerce uma força grandiosa sobre o público, levando em conta o quão inesperada ela é. Tanto nessa cena como em inúmeras outras é impossível não ficar arrepiado, e para muitos também é impossível não deixar algumas lágrimas surgirem.
Com atuações sinceras de todo o elenco, O Despertar da Força se saiu extremamente bem ao criar uma história com personagens clássicos e outros novos, conseguindo trazer nostalgia aos fãs de longa data e ao mesmo tempo apresentar Star Wars para os novatos. Enquanto Harrison Ford está tão descontraído em cena quanto antes, John Boyega surge como o novo alívio cômico do filme, com seu senso de humor agradabilíssimo. Daisy Ridley também se sai extremamente bem com sua personagem insegura, demonstrando seu talento tanto nas cenas de ação quanto nas cenas de drama. Mas quem rouba a cena são os vilões do filme Adam Driver e Domhnall Gleeson; enquanto Gleeson segura seu personagem ríspido e determinado do começo ao fim, Driver tem um desempenho ainda mais incrível, visto a complexidade de seu personagem.

Em resumo, Star Wars - O Despertar da Força é a prova mais recente de que renascer uma saga já “finalizada” no cinema é algo que pode dar muito, mas muito certo. Basta uma ótima equipe e uma boa dose de nostalgia ministrada juntamente com novos elementos e pronto, temos diante de nós uma obra emocionante e memorável. 

Avaliação:




Sobre o Autor:
Matheus
Matheus é Colaborador do blog, cinéfilo de carteirinha, leitor compulsivo e aficionado por música. Quando não está lendo, pode vê-lo re-assistindo Kill Bill ou então ouvindo música com os seus fones inseparáveis.


14 comentários:

  1. Alessandra Fernandes22 de janeiro de 2016 23:46

    Matheus, eu estava ansiosa por sua opinião sobre este filme. Gosto muito de suas críticas e foi ótimo saber que tanto gostou. Conheço pouco de Star Wars, como já citei em outro post, mas pretendo assistir este assim que passar no cinema de minha cidade.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Matheus. Não sou um dos fãs de Star Wars, mas confesso que estou bem curioso para conferir O Despertar da Força. O diretor do filme conseguiu o aclamado sucesso após tantas pré-críticas e altas expectativas. O elenco escolhido foi de uma ousadia incrível, mas uma escolha muito bem feita. Gostei da sua opinião sobre. BB-8 ♥.

    ResponderExcluir
  3. Com tantas expectativas depositadas em O Despertar da Força,
    o filme acaba sendo um grande marco no cinemas, para bom ou para ruim. Eu não
    estou gostando muito desta nova adaptação, mas confesso que outro lado meu está
    ansioso para descobrir o verdadeiro ponto forte deste filme. O novo vilão
    master não superará Vader. Espero não me decepcionar tanto.

    ResponderExcluir
  4. Matheus, eu assisti a um dos filmes de Star Wars e aquelas
    cenas de guerra ainda permanecem em minha mente. O Despertar da Força foi tão
    bem divulgado que a minha atenção foi totalmente direcionada à ele e fiquei
    interessada na trama. Escolher um negro e uma mulher foi uma coragem à parte da
    direção do filme mesmo e fico feliz que tenha te agradado. Quero assistir.

    ResponderExcluir
  5. Confesso que tinha um certo preconceito com Star Wars porque achava ridículo aqueles sabres de luz rsrsrs. Meu namorado me infernizou para assistir e eu toda relutante dizendo que não, mas não aguentei e cedi e Meu Deus que filmes?! Os antigos você tem que assistir mais pela história do que pelos efeitos especiais e eu realmente gostei de Luke e toda sua trajetória para se tornar Jedi e tudo mais. Os episódios I, II e III eu logo me apaixonei por Anakin. Terminei de assistir todos uma semana antes de ir para o cinema e me surpreendi com o rumo que a história tomou. Maravilhosa a introdução de novos personagens e a aparição dos antigos, os novos personagens considero muito bons e os efeitos especiais e lutas evoluíram tanto do Episódio IV pra cá. Minha nota quando saí do cinema foi 10 porque menos que isso o filme não merecia :)

    ResponderExcluir
  6. cristiane dornelas27 de janeiro de 2016 12:37

    Eu gostei dessa versão mais moderna, chama mais atenção do que os antigos e esse eu veria sem nem pensar muito. A ideia de uma mulher e homem negro é bem interessante e parece ter funcionado muito bem. A trama do filme é ótima e só rende elogios. Ainda não pude ver, mas penso que amaria esse longa como tantos outros amam!

    ResponderExcluir
  7. marlene conceiçao28 de janeiro de 2016 10:16

    Otima resenha.
    Mas eu sou uma das poucas pessoas que não gosta de star wars, li os livro, assistir o filme, mas ainda assim continuo não gostando, não sei realmente do que não gosto, mas não consigo simplesmente gostar dele.
    Mas sua resenha estar maravilhosa, gostei do seu ponto de vista.
    Bom Dia.

    ResponderExcluir
  8. Daniel Olhos Água28 de janeiro de 2016 16:56

    Ainda não assisti o filme, mas sei que os efeitos especiais e a história são admiráveis! Quero o quanto antes me aventurar nessa saga. Amei o BB-8 mesmo antes de ter assistido ♥ Amei a review. Abraços

    ResponderExcluir
  9. To curiosa para assisti esse filme, conheço Star Wars só pelas pessoas cometando mesmo e as referencias do filme, vou assisti o filme e espero muito gostar e ficar por dentro do assunto.

    ResponderExcluir
  10. Oi!
    Quero muito assistir esse novo filme da serie Star Wars mas ainda não assisti nenhum dos outros filme por isso estou esperando para poder assisti esse se não irei ficar perdida na historia mas vi muito comentários positivos sobre esse novo filme !!

    ResponderExcluir
  11. Ahhh, sério que estava ansiosa pela crítica? <3
    Desculpa a demora! Aconteceu uns contratempos e demorei horrores pra ir assistir :v hahahahaha

    ResponderExcluir
  12. Olha, é claro que ninguém superará Darth Vader hahaha
    Mas Kylo Ren é ótimo porque tem uma super história por trás dele! E o filme conseguiu mostrar muito bem esse lado psicológico dele.

    ResponderExcluir
  13. Bem vinda ao lado negro da Força! <3 hahahahaha

    E sim, a evolução desse filme em relação aos outros é grandiosa! As coreografias das lutas estão incríveis!

    ResponderExcluir
  14. Muito obrigado, Marlene! :)

    ResponderExcluir