postado por Funs Hunter em 02 agosto 2016

Resenha | Apenas Um Garoto


                     

Senti como se eu tivesse feito todos os deveres de casa e gabaritado todos aqueles testes por uma razão. Finalmente, ali estava. Minha chance de mudar. Na escola Natick eu poderia ser apenas Rafe. Não o filho colorido da Opal e do louco do Gavin. Não o menino "diferente" do futebol.

Rafe está cansado de ser rotulado como o garoto gay da escola e decide mudar de escola. Sem dizer nada aos pais e a sua melhor amiga, ele pretende levar uma vida "no armário" com os garotos da nova escola. Sim, a nova escola é exclusiva para meninos.
O novo círculo de amizade de Rafe inclui os atletas e populares da escola, o que o faz se sentir bem, mas também contar algumas mentiras.
Claro que algo tinha que acontecer com isso... Rafe acaba se apaixonando por um de seus novos amigos. Não é algo que ele possa lidar sem liberar grandes consequências. Mas também não é algo que ele pode simplesmente esquecer que está acontecendo... Rafe que se prepare!

Cortesia da editora

Se me perguntassem se eu gostava de alguma garota ou se tentassem arranjar alguém para mim numa festa, a resposta seria: "Estou concentrado em entrar em uma boa faculdade". Dessa forma, eu não teria que fingir interesse, mas também não recusaria, o que, obviamente, faria as pessoas questionarem.

Apenas Um Garoto é a aposta da Editora Arqueiro com o tema LGBT. Nele conhecemos a história de Rafe, Claire Olivia, Toby, Ben, Steve, Albie, Sr. Scarborough e tantos outros. Nesse ponto, preciso esclarecer que a história não foi bem o que eu esperava, não que tenha sido uma leitura ruim, mas o desfecho dela foi algo que acabou me decepcionando um pouco. Sinceramente, esperava um pouco mais de ousadia por parte do autor.
Claro que em apenas 256 páginas não seria possível "dar um fim" à história de Rafe e, pesquisando, descobri que a continuação da história está prevista para março de 2017.

O livro é bastante reflexivo, vários pontos são tratados durante a história. O foco principal é Rafe e a sua ideia de não se assumir publicamente em Natick, sua nova escola. Ele se cansou de ser rotulado como o garoto gay e sempre ser usado como exemplo e quer "ser normal".
Parece algo até fácil, mas viver em um dormitório e frequentar uma escola só de meninos pode complicar as coisas um pouco. MENTIRA. COMPLICA MUITO
Mentir torna-se algo que ele não consegue escapar, uma vai levando a outra e, quando Rafe se dá conta, o seu passado é completamente diferente do que viveu em Boulder.
O fato de tratar de assuntos como a aceitação, grupos de apoio, primeiro amor e além, o autor não se perde durante a história e nos apresenta algo que me deixou sempre apreensivo pelo próximo capítulo.


— O que você quer dizer com "diferente"? De onde tirou isso? Frequento a sua aula há uma semana. Você está me perguntando se sou gay? Porque isso é meio invasivo, não acha?

Os personagens são bem chamativos e alguns roubam as cenas, até mesmo de Rafe. Albie e Toby são os que mais se destacam, um sendo assumidamente gay na escola e guardando um segredo de todos... que não é tão segredo assim. O Sr. Scarborough é um dos dois professores que aparecem em cena durante a leitura (ou simplesmente não me lembro dos demais, sei lá) e, de uma forma ou outra, tenta ajudar Rafe com seu "projeto".
Os pais de Rafe, Opal e Gavin, são umas figuras. Juntos de Claire Olivia, eles ajudam o menino a "voltar pro armário" e se controlam pra não dar nenhuma bola fora. Claro que nenhum dos três acha isso certo, mas fazem a vontade dele. Ben e Steve conhecem Rafe logo no primeiro dia, quando ele chega ao dormitório. São integrantes do time da escola, que aceitam Rafe na equipe. Um é mais esquentado e fala sem pensar, já o outro aparenta tranquilidade e pronto para acabar com qualquer discussão.

As coisas ficam cada vez mais difíceis para Rafe... Como se não bastassem as mentiras, ele acaba se apaixonando por um amigo da escola. Isso não é nada bom!
O que fazer quando o sentimento de amizade começa a aumentar e se transformar em amor?

Kit que a Editora Arqueiro enviou com o livro

Depois de tudo o que li e vive com os personagens, o final acabou me decepcionando, como já disse no início. Não foi algo que eu esperava, mas condizente com a história. Saber que ano que vem sai a continuação já me anima um pouco. A história de Rafe simplesmente não pode terminar daquela maneira!

O trabalho da editora está novamente fantástico! A mudança de fontes no decorrer do livro ajuda a entender as partes da história. Alguns erros são encontrados durante a leitura, mas nada que prejudique o leitor.

No mais, Apenas Um Garoto se mostra uma boa leitura e que flui muito bem, nada de enrolação por parte do autor e te garante momentos apreensivos e divertidos.





Sobre o Autor:
Paulo Cezar
Paulo Cezar é Administrador e Cofundador do blog, descobriu o fantástico mundo dos livros quando leu, pela primeira vez, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Além dos livros, também é apaixonado por filmes e séries.


3 comentários:

  1. Ainda não tinha lido nenhuma resenha sobre o livro, mesmo tendo me apaixonado pela capa e tendo colocado na minha wishlist. Estou bem curiosa para saber pelo que o Rafe passa e vai passar ao decorrer do livro. Adorei sua resenha!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Já vi bastante esse livro pelos blogs e facebook, mas não me chamou atenção. Só estou descobrindo sobre o que é agora. Achei bem legal um livro com uma temática tão atual.

    ResponderExcluir
  3. É, está saindo muitos livros com essa temática ultimamente. E eu adoro! Ahh, é muito bom. Acho interessante os dilemas, essa visão dos personagens que nos faz enxergar que amor é amor e não importa gênero. E ele parece ter isso, além de todas aquelas dificuldades, muita reflexão e personagens que roubam a cena. Parece ser bom. Esse final, se tem uma continuação, acho que não iria me incomodar muito se não for tão bom. Mas aí tem que ver como vai ser no próximo, se vão fechar bem a história. No mais ele parece ser um bom livro, divertido e gostoso de ler.

    ResponderExcluir