postado por Matheus em 14 setembro 2016

Resenha | O Mundo Perdido


                    

Nem todo bom escritor seguiu essa profissão desde o começo de sua carreira. Michael Crichton, por exemplo, se formou na Harvard Medical School e terminou seu doutorado em Políticas Públicas  pela Salk Institute for Biological Studies. Mesmo que ele tenha seguido carreira acadêmica, seu reconhecimento veio pela indústria do entretenimento, tudo devido a seus livros, os filmes que dirigiu, as adaptações cinematográficas de seus próprios livros e também a conhecidíssima série ER (Plantão Médico), que foi criada por ele. De toda forma, sua formação acadêmica deu um grande embasamento à suas obras, boa parte delas com um forte pilar na ciência. Caso do fantástico O Mundo Perdido.

- Eu não estou interessado em dinossauros – afirmou Malcom.
- Mas todo mundo se interessa por dinossauros.

Seis anos após os trágicos acontecimentos de Jurassic Park, o mundo continua como antes, sem nunca desconfiarem de que dinossauros realmente existem. Porém, o paleontólogo Richard Levine acredita que exista um mundo perdido, um lugar isolado no mundo onde o tempo não passou, onde a extinção não chegou, onde ainda existem dinossauros. Ele mantém contato constante com Ian Malcom, porém ele em momento algum cita os experimentos da InGen com dinossauros, os quais viu bem de perto. Contudo, Levine fez uma forte pesquisa e está convicto de que este lugar realmente existe. Por isso, parte para a Isla Sorna, Costa Rica, sem avisar ninguém e sem nenhum preparo para o que pode encontrar.
Pensando nisso, Ian Malcom, mesmo que a contragosto, vai para lá para resgatar o “amigo”, acompanhado dos engenheiros Jack Thorne e Eddie Carr e também de sua velha conhecida, a pesquisadora de campo Sarah Harding. Chegar a distante ilha pode até não ser tão difícil, mas os desafios para sair de lá serão imprescindíveis.

- Por toda a sua vida, outras pessoas vão tentar tirar suas realizações de você. Não faça isso consigo mesma. [Sarah Harding para Kelly]

Superior ao seu antecessor, O Mundo Perdido se mostra um grande livro para qualquer um que procura uma boa aventura. Todos os aprendizados sobre dinossauros e a ciência do comportamento são brindes.
Não é exagero dizer que o livro é um amontoado de clímax, todos repletos de tensão e muita, mas muita emoção. Aproximadamente nas últimas 150 páginas do livro a ação é constante; a todo momento algo está acontecendo, nos dando a impressão de que nada realmente dará certo para eles. Para alguns, isso pode soar apenas como uma tentativa de criar um livro emocionante utilizando de diversos clímax, mas se essa fosse a intenção de Crichton ele conseguiu, e com mérito.
Além de criar um livro extremamente emocionante, Crichton também construiu personagens extremamente cativantes, muito mais do que aqueles que vimos nas páginas de Jurassic Park, na verdade. Mas muito do destaque vai para Sarah Harding, a inteligente e destemida pesquisadora que praticamente não tem medo daquilo que a espera; as crianças Kelly e Arby também têm muito destaque, e ambos possuem um panorama muito bom por trás de seus personagens. Outra coisa que também está melhor aqui do que no JP é a motivação que leva os protagonistas à procura de dinossauros. Enquanto em JP John Hammond, o criador do parque, parece um louco rico e sem propósito algum, aqui Richard Levine tem uma boa base para acreditar que exista seu “mundo perdido”, além do que ele também só queria observar e estudar os dinossauros que encontrasse.

- [...] Durante toda a sua vida, as pessoas vão te dizer coisas. E, na maioria do tempo, provavelmente 95% do tempo, o que elas lhe dirão estará errado. [Sarah Harding para Kelly]

Como de praxe, a Aleph nos traz uma edição ilustre de um livro que há muito já estava esquecido nas livrarias. Com um forte contraste entre o vermelho e o preto, assim como em Jurassic Park, a edição tem uma capa muito bem ilustrada, além de interiormente conter algumas ilustrações e divisões de capítulo estilizadas. Mesmo com a fonte pequena e as muitas páginas, a leitura em nenhum momento se torna cansativa.

Num todo, O Mundo Perdido é um livro de aventura fantástico. Com um bom enredo e personagens ainda melhores, Michael Crichton conseguiu criar uma história eletrizante e viciante. Sem comparações à sua fraca adaptação cinematográfica.

- [...] São apenas teorias. Os seres humanos não podem evitar tecê-las, mas o fato é que as teorias são apenas fantasias. E elas mudam.





Sobre o Autor:
Matheus
Matheus é Colaborador do blog, cinéfilo de carteirinha, leitor compulsivo e aficionado por música. Quando não está lendo, pode-se vê-lo re-assistindo Kill Bill ou então ouvindo música com os seus fones inseparáveis.


11 comentários:

  1. Gostei mt da resenha principalmente pq é interessante e não tem nenhum spoiler (ufa!). Sempre pesquiso os livros da Aleph, pois adoro Sci-fi, e O Mundo Perdido já está na minha lista! Afinal, SÃO DINOSSAUROS.

    Email: julia_mcampanha@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha pode ficar sossegada que se alguma resenha minha conter spoilers te avisarei antes de lê-la rs

      Excluir
  2. Não conhecia o livro, mas depois da sua resenha, ele já entrou pra minha wishlist!
    Adoro aventuras e saber que esse livro é o melhor que o anterior me animou muito, fora que ser sobre dinossauros (que nunca li) e ciência do comportamento me interessam muito!
    Assim que der vou procurar por ele!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  3. Eu não conhecia esse livro, mas já me interessei por ele. Nunca li nenhum livro com dinossauros, e eu acho o tema muito legal. Gosto bastante de livros com aventura, e pelo jeito, isso não vai faltar nesse livro. E a adaptação realmente é bem fraca, e gostei de saber que o livro é melhor :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Sabe que ultimamente venho querendo ler esse livro? Não tinha pensado muito em ler quando vi. Fiquei só naquela possibilidade mesmo. Mas agora deu vontade. Acho que porque vi o filme mais recente de Jurassic...
    E ele parece ser bom. Tem muita ação, nem que seja lá pelo fim, e só isso já faz querer ler porque fico viciada nessas partes e devoro como louca. Além de ter uns personagens que parecem bem bacanas, se forem dos tipos cativantes mesmo. Gostaria de ver como é.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os personagens desse livro são bem mais cativantes que os que vimos nos filmes. Pode ler sem medo de se apaixonar pela Kelly e Arby. hahah

      Excluir
  5. Amo o escrita do Michael Crichton! Tenho o primeiro livro desde bem nova e já li e reli inúmeras vezes, mas não sabia que tinha outro volume... Da última vez que li o livro até fiz maratona dos filmes e só pelo filme gostei bastante da Sarah, então imagino que pelo livro vá gostar ainda mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem sim, Luciana. E É INCRÍVEL! HAHAHA
      Leia o quantos antes. :D

      Excluir
  6. oh mateus a adaptação teve o seu mérito
    tá que os personagens humanos são fracos, isso são
    mas foi uma revolução para o cinema =)
    e claro que eu tenho que ler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A adaptação do primeiro livro, Jurassic Park, eu achei inúmeras vezes melhor que a de O Mundo Perdido, que eu achei mal desenvolvida e com poucos momentos realmente emocionantes. Bem diferente do livro...

      Excluir
  7. Olá!
    Quero muito ler esse livro! Desde sua divulgação, já foi para a minha lista. Adoro esse estilo de leitura e a premissa promete uma aventura maravilhosa! Gostei muito dos filmes, apesar dos pontos negativos. Mas lendo sua resenha, fiquei feliz em saber que o livro é muito melhor.
    Sua resenha está ótima, muito bem elaborada. Obrigada.
    Abraços.

    ResponderExcluir