postado por Matheus em 18 novembro 2016

Resenha Dupla | O Homem que Caiu na Terra



                    


A questão da vida alienígena é algo que sempre levantou grande curiosidade em muita gente. Isso explica o fato de muitos filmes e livros sobre vida extraterrestre se tornarem verdadeiros ícones culturais, como os clássicos Alien e E.T. – O Extraterrestre. Porém, boa parte deles tem algo em comum: a desumanização do alienígena, mostrando-o como um ser desprovido da capacidade de agir como um humano. Dessa forma, O Homem que Caiu na Terra chama atenção por mostrar um alienígena completamente diferente de tudo que já vimos.
“A humanidade não tem o direito de escolher a sua própria forma de destruição?” [...]Pág. 155

O livro começa de súbito com Thomas Jerome Newton “caído” na Terra, em seu primeiro contato com o planeta. Desajeitado, um tanto estranho, mas ainda assim com feições e trejeitos completamente humanos. Ele causa estranheza para alguns, mas nada gritante. Nada que o impeça de ir atrás do que procura.
Logo depois de conseguir um pouco de dinheiro, Newton vai até Oliver Farnsworth, um empresário renomado com especialidade em patentes. Tudo o que Newton quer é lhe mostrar suas ideias. E consegue, deixando Farnsworth perplexo.
Não demora nada para Newton se tornar então um inventor milionário, porém muito misterioso. Até chegar à sua ascensão, ele encontra duas pessoas as quais se mantém muito próximo: a viúva alcoólatra Betty Jo – chamada de Mary-Lou no filme – e o professor químico universitário Nathan Bryce. Betty em momento algum se questiona sobre as peculiaridades de Newton, mas Nathan está disposto a descobrir qual o segredo desse homem tão estranho.
“Não dá pra guardar um segredo para sempre” [...]Pág. 144

E aliás, qual o propósito de Thomas Newton vir à Terra?
Isso não é algo que esteja explícito na sinopse (mas cuidado que várias resenhas na internet contam esse porquê), e, de certa forma, essa é a grande revelação da obra. Por mais que esse não seja o clímax, ficamos boa parte do livro imaginando porque ele veio para cá, e quando enfim sabemos tudo parece fazer mais sentido. Isso sem contar que o capítulo em que isso é revelado é o melhor do livro, com diálogos fantásticos e reflexões magníficas.
Mas não é só nesse momento que as reflexões estão presentes. Na verdade o livro todo é muito mais focado em questões sociais e na introspecção de seus personagens do que em reviravoltas e passagens de aventura, nos entregando assim uma história densa de emoções e reflexões. Emoções que emanam naturalmente dos personagens, sem precisar de nenhuma reviravolta para isso. E realmente todos os três personagens têm muito o que mostrar.
O próprio Thomas Newton – interpretado no filme por ninguém mais ninguém menos que David Bowie – possui uma história extremamente reflexiva. Afinal de contas, ele abandonou sua família em Anthea (nome de seu planeta) para vir à Terra. E quem disse que alienígenas não sofrem de solidão e saudade? Newton sofre.
Já Betty/Mary-Lou (Candy Clark) e Nathan (Rip Torn) demonstram complexidade à medida que temos a ideia do que era a vida de ambos antes da chegada de Newton. Uma vida baseada no vício e na solidão, para ambos. Ao terminarmos de ler o livro, é curioso ver o rumo que a vida desses dois tomou.
Mas essa descrição que eu dei logo acima se encaixa somente ao livro, porque o filme já é outra história...
Enquanto toda a história do livro escrita por Walter Tevis tem um grande detalhismo dos sentimentos dos personagens, o filme, dirigido pelo inglês Nicolas Roeg, é apenas um emaranhado confuso e dissonante de passagens do livro, sem nenhuma profundidade dos personagens. Quem leu o livro e logo após viu o filme pode até entendê-lo, mas é visível a confusão de cenas que o longa se tornou. Para alguns o filme é considerado uma obra-prima clássica, mas ele não se distancia muito de tantos outros filmes artísticos sem pretensões de roteiro. Uma adaptação muito aquém da obra na qual foi baseado.

A edição do livro em capa dura pela DarkSide Books é simplesmente um deleite aos olhos. Utilizando de uma imagem do Bowie que estampava cartazes do filme, mas que ficou mais conhecida como capa de seu álbum “Low”, a editora entregou uma capa limpa, mas extremamente bem desenhada. O pequeno número de páginas e a boa diagramação contribuem para uma leitura fluída. Bem diferente do que presenciamos nas longas 2 horas e 18 minutos do filme.


O Homem que Caiu na Terra é uma obra diferente e ousada, tanto o livro como o filme, de muitas formas. A história não é convencional, os desfechos não são convencionais e nem mesmo os personagens o são. No filme, tudo isso criou um filme-arte maçante que mal vale pela atuação de Bowie. Mas em contrapartida é justamente isso que fez do livro um grande exemplar para a literatura de ficção científica: essa ousadia de escrever uma história completamente diferente do que é encontrada por aí.
“Não é preciso.” // “O que não é preciso?” // “Ser de Marte para se sentir sozinho. [...]”
Pág. 106

Direção: Nicolas Roeg
Duração: 2h 18min
Lançamento: 1976
Gênero: Ficção científica
Avaliação (filme):




Sobre o Autor:
Matheus
Matheus é Colaborador do blog, cinéfilo de carteirinha, leitor compulsivo e aficionado por música. Quando não está lendo, pode-se vê-lo re-assistindo Kill Bill ou então ouvindo música com os seus fones inseparáveis.


15 comentários:

  1. Por nunca ter lido nenhuma resenha deste livro (embora esteja bombando e eu o veja com muita constância), eu achava, pela capa tbm, que o livro contava a história do Camaleão... kkk talvez pq alguns blogs deixaram a entender isso..enfim. Acho q foi por isso que não me interessei antes para ler. Não curti muito biografia.
    Que incrível! Nunca li um livro do gênero e parece fantástico. Amo livros de leitura inteligente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um dia eu vi uma pessoa lendo-o no ônibus, podia jurar que era uma biografia hahahaha

      Excluir
  2. Confesso que não dei muita moral quando vi o livro inicialmente. Mas vi umas resenhas dele depois e ele acabou me interessando. Acho que por trazer reflexões e ser cheio de sentimentos... Ele parece despertar ideias e fazer a gente pensar tanto na história quanto nas lições que ela pode deixar. Nos personagens e etc, ver a evolução deles e tal...
    Filme não tive muita vontade de ver. Acho que o livro acaba sendo melhor heim. Muito melhor pelo jeito.

    ResponderExcluir
  3. Olá.
    Tenho curiosidade em ler esse livro, além de ser atraída pela capa, pois amo DarkSide. Não pretendo assistir o filme, mas o livro, gostaria de ler e tirar minhas conclusões. Creio ser uma leitura reflexiva.
    Ótima resenha. Obrigada pela dica.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Matheus!
    Sou totalmente aficcionada por ficção científica e por ets, vida fora da terra, etc...
    Já assisti o filme há muitos anos, mesmo porque amo o Davie Bowie, e quero ver se consigo ler o livro que parece bem fidedigno ao filme.
    “Só a mágoa deveria ser a instrutora dos sábios; Tristeza é saber.”(George Lord Byron)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de NOVEMBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Se você gostou do filme muito provavelmente gostará do livro, que possui uma história bem mais desenvolvida.

      Excluir
  5. Eu nunca tinha ouvido falar do livro e nem do filme. Confesso que não sou muito fã de histórias com alienígena, mas esse livro me interessou um pouco. A história dele parece ser muito boa, e fiquei bem curiosa pra saber porque ele veio para a terra. Já o filme, eu não tenho nenhuma vontade de ver :P

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Faz tempo que não leio um bom livro desse gênero, apesar de estar me tornando uma grande fã de ficção científica. A edição da darkside é realmente um deleite, são sempre maravilhosas. E fiquei bem curiosa pra saber o motivo dele ter caído na terra, vou procurar resenhas desse tipo depois -sqn.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/
    Participe dos SORTEIOS de Natal que estão rolando lá no blog!

    ResponderExcluir
  7. e precisa falar do trabalho de edição da darkside?
    é uma obra de arte da vontade de comprar só por causa disso
    eu sabia que conhecia esse nome de algum lugar!
    é um filme eu lembro q assisti, mas faz tanto tempo que eu não lembro de mais nada
    ainda bem que vc não colocou o motivo, pelo jeito é spoiler... até não tenho problema com isso, se avisarem antes.

    ResponderExcluir
  8. Oi.
    Que capa mais linda, adoro esse tipo de livro/filme que não é convencional e me tira da zona de conforto, adorei a resenha dupla bem interessante.
    Não curto muito o tema vida alienígena e blá blá blá, mas esse me convenceu e irei ler/assistir sem sombra de dúvidas.
    Boa Tarde.

    ResponderExcluir
  9. Olá...
    Que capa sensacional!!!! A Darkside arrasa nas edições sempre!!! Gosto muito de ficção científica e o fato desta obra tratar um alienígena de uma forma diferente, me deixa bastante curiosa para fazer essa leitura. E espero conseguir assistir ao filme também. Adorei a resenha.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Eu não conhecia este livro, mas lendo a sinopse e sua resenha, percebi que a história não faz muito meu estilo de leitura, então no momento não me interessei e não pretendo ler, quem sabe futuramente.

    ResponderExcluir
  11. Nossa, não sei como eu passei tanto tempo sem conhecer o livro ou até mesmo o filme! Achei muito interessante, adoro boas histórias de ficção científica, e te agradeço por não ter revelado o grande x da questão que é o motivo de Newton ter vido para a Terra. Já vou procurar pra ler e/ou assistir!

    ResponderExcluir